Jornal do Brasil

Quarta-feira, 17 de Setembro de 2014

Rio

Advogados de direitos humanos prestam assistência a ativistas presos no Rio

Agência Brasil

O Instituto de Defensores de Direitos Humanos (IDDH) está desde as 9h de hoje (12)  na Cidade da Polícia, no Jacaré, zona norte do Rio de Janeiro, onde acompanha a prisão de ativistas acusados de participação em atos violentos durante manifestações ocorridas nos últimos meses na cidade.

>>Na véspera da final da Copa do Mundo, 19 ativistas são presos 

>>Manifestações acontecem no Rio, em dia de final da Copa

As prisões são temporárias e foram executadas (12) pela Polícia Civil do Rio, em cumprimento a mandados expedidos pela 27ª Vara Federal da Capital.

O diretor administrativo do IDDH, advogado Felipe Coelho, disse que a entidade já começou a trabalhar nos casos, assim como outros advogados. Ele destacou, entretanto, que “ainda é cedo para se falar qualquer coisa, uma vez que os mandados acabaram de ser expedidos e nós temos que entender o porquê dos mandados, e se as prisões estão corretas”.

Coelho disse que se os ativistas permanecerem presos, “vai haver medida judicial, com certeza”. Entre as prováveis iniciativas, o advogado citou pedidos de 'habeas corpus' ou pedidos de liberdade provisória. “Mas a gente tem que analisar tudo ainda, ter uma visão melhor, porque são muitos mandados”.

O advogado do IDDH disse que a entidade foi alertada sobre a operação policial por telefone, por volta das 7h deste sábado por ativistas presos.

Tags: advogados, ativistas, iddh, manifestantes, Rio, sininho

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.