Jornal do Brasil

Quinta-feira, 27 de Novembro de 2014

Rio

Justiça aceita denúncia e determina prisão de 11 da máfia dos ingressos

Jornal do Brasil

A Justiça do Rio de Janeiro aceitou a denúncia do Ministério Público e determinou a prisão de 11 envolvidos na máfia dos ingressos, inclusive do CEO da Match Services, Ray Whelan. Dez já estavam presos. A ordem de prisão foi emitida pela juíza Joana Cortes, do Juizado Especial do Torcedor. O único que não teve o pedido de prisão solicitada pelo Ministério Público foi o advogado José Massih, por ter colaborado com as investigações.

O inquérito da Operação Jules Rimet foi recebido na quarta-feira pelo Ministério Público. Doze presos, incluindo o CEO da Match Services, única autorizada pela Fifa para comercializar os tickets, Raymont Whelan, foram indiciados pelos crimes de cambismo e associação criminosa. Ontem, a polícia pediu a prisão preventiva de 11 dos detidos desde o início da operação no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Jornal do Brasil  vem acompanhando de perto o caso e publicou, em primeira mão, denúncias a respeito do esquema de venda irregular de ingressos para a Copa.

>> Os bastidores da Fifa nas vendas de ingressos para a Copa no mercado negro

Veja mais reportagens sobre o caso:

>> Jennings sobre Ray Whelan, da Match: "Ele sabe de absolutamente tudo"

>> Executivo da Match, Ray Whelan foi contratado pela CBF na gestão de Teixeira

>> Justiça nega habeas corpus a argelino Lamine Fofana

Ray Whelan foi libertado da 18a. DP (Praça da Bandeira) na última terça-feira (8), após pagar fiança de R$ 5 mil e por determinação de um habeas corpus concedido pelo Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ). A prisão temporária de cinco dias foi expedida pelo Juizado Especial do Torcedor, mas a desembargadora Marília de Castro Neves Vieira, considerou a prisão ilegal, pois desobedeceu o princípio da proporcionalidade. A Justiça reteve o passaporte de Whelan. Em nota, a Match informou nesta quarta (9) que Whelan vai devolver a credencial da Fifa. 

O franco-argelino Mohamed Lamíne Fofana, acusado de chefiar a quadrilha e preso no dia 1º de julho, segue detido no Complexo Penitenciário de Bangu, junto com outros 10 membros da máfia dos ingressos. A Justiça negou o habeas corpus de Lamine Fofana, permitindo o pedido de prisão preventiva pela PC, já que o prazo de prisão temporário do suspeito encerra nesta quinta (10).

Tags: brasil, entradas, juíza, Mundial, prisão

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.