Jornal do Brasil

Sexta-feira, 19 de Setembro de 2014

Rio

Bombeiro preso em 2011 é anunciado vice de Garotinho

Vereador Márcio Garcia vai formar chapa pura do PR ao governo do Rio

Portal Terra

O candidato do PR ao governo do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, anunciou nesta terça-feira o vereador Márcio Garcia, também do PR, como vice. O escolhido foi um dos 439 bombeiros presos em 2011, durante a gestão de Sérgio Cabral (PMDB), por participar de um levante por melhores salários.

A “chapa pura” foi consolidada depois de Garotinho fechar a aliança com o Pros, com o aval do Palácio do Planalto. A legenda teve a oportunidade de escolher entre a vaga de vice ou uma candidatura ao Senado, e optou pela segunda, lançando o deputado Hugo Leal. Sem outros partidos de peso na aliança – Garotinho é apoiado também pelo “nanico” PTdoB – coube ao candidato encontrar um nome dentro do próprio partido.

O nome de Garcia, que é major dos bombeiros, é uma chance de Garotinho incluir na campanha um tema sensível ao PMDB, seu principal adversário. Quando os bombeiros ocuparam o Quartel Central em protesto, em 2011, o então governador Sérgio Cabral chamou os militares de “vândalos” e “irresponsáveis”. O peemedebista é o atual governador, Luiz Fernando Pezão, que assumiu o Executivo estadual com a saída de Cabral.

"Depois de uma análise do perfil da candidatura, nós escolhemos o major do Corpo de Bombeiros Márcio Garcia, um daqueles 400 presos por Sérgio Cabral e Pezão durante o movimento por melhores salários", disse Garotinho, em entrevista coletiva na Câmara dos Deputados. "Ele (Márcio) é o símbolo do destrato de Cabral com o funcionalismo. Ele é o símbolo da arrogância de Cabral", afirmou.

"O PMDB está claramente apoiando o Aécio"

Apesar de apoiar a reeleição de Dilma Rousseff, Garotinho disse que não vai poupar críticas ao PT do Rio de Janeiro. Ele sugeriu que a presidente está sendo enganada pelos peemedebistas - no Estado, setores do partido declararam apoio ao senador Aécio Neves. Dilma tem, no Estado, apoio de Pezão, Garotinho, Lindbergh Farias (PT) e Marcelo Crivella (PRB).

"Se a presidente tivesse que escolher hoje uma música para simbolizar sua aliança com o PMDB do Rio de Janeiro, eu colocaria aquela 'me engana que eu gosto'", disse.

Garotinho atacou o PT fluminense, por considerá-lo "sócio do fracasso" ao ocupar a Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos. "Talvez dentre todos os fracassos do governo estadual esteja na área social e quem ocupou durante todo o governo Cabral foi o PT", disse.

Ao criticar o atual governo, o candidato do PR prometeu deslocar para o interior e para a Baixada Fluminense policiais levados para a capital. Garotinho também repetiu que seu primeiro ato, se eleito, será "cancelar a privatização do Maracanã".

Tags: eleição, estadual, garotinho, Rio, sucessão

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.