Jornal do Brasil

Quinta-feira, 31 de Julho de 2014

Rio

Sem-teto do atletismo correm no Maracanã pela reconstrução do Célio de Barros

Agência Brasil

O movimento Sem Teto do Atletismo, formado por atletas, técnicos e figuras históricas do esporte, fez na manhã de hoje (29) a 3ª Corrida e Caminhada pela Reconstrução do Estádio de Atletismo Célio de Barros.  O espaço, ao lado do Estádio do Maracanã, foi fechado em março de 2013 e teve a pista profissional retirada durante as obras para a Copa do Mundo. A área foi asfaltada e está servindo de estacionamento durante o mundial.

A largada ocorreu às 8h e o percurso deu duas voltas no Maracanã. De acordo com os organizadores, cerca de 300 pessoas participaram do ato.

O professor de educação física e atleta veterano Adalberto Rabelo, um dos organizadores do evento, lembra que o Célio de Barros era o único estádio do Rio de Janeiro onde todas as modalidades do atletismo podiam ser praticadas. “Foi uma agressão o que fizeram ao atletismo nacional, uma agressão muito séria”.

De acordo com ele, o governo do estado sinalizou que o local vai ser reconstruído depois da Copa. “Mas nós não confiamos mais neles, eles destruíram o que é nosso. A gente não tem confiança neles não, tanto que continua esse movimento pela reconstrução, vamos fazer outra corrida em setembro e vamos continuar a luta, fazendo audiências públicas”.

Rabelo lembra que cerca de 2 mil pessoas treinavam no Célio de Barros, entre adultos, veteranos, crianças e atletas profissionais e agora estão sem espaço para se exercitar. “Nós queremos a imediata reconstrução assim que acabe a Copa do Mundo, porque era o único estádio completo de atletismo do estado. As Olimpíadas estão aí e a gente está sem lugar para treinar”.

O Célio de Barros foi concedido ao consórcio vencedor da licitação com o Maracanã e deve ser reformado pela concessionária, mas ainda não há previsão para as obras.

Tags: atletas, corrida, estádio, maracanã, Rio

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.