Jornal do Brasil

Segunda-feira, 22 de Dezembro de 2014

Rio

Secretário estima que 150 mil argentinos passem pelo estado do Rio na Copa

Agência Brasil

Os torcedores argentinos vieram em peso para o Rio de Janeiro neste fim de semana para a estreia contra a Bósnia e lideram o grupo dos turistas latinos no Mundial. A Secretaria Estadual de Turismo estima que 50 mil argentinos estiveram na cidade para assistir à partida e que cada um deles gastou, em média, R$ 1 mil.

"E nem todos vêm para ir ao estádio. A [Fifa] Fan Fest estava lotada e, segundo a prefeitura, 15 mil eram argentinos", disse o secretário Claudio Magnavita. Ele calcula que 500 mil latinos, dos quais 150  mil argentinos, deverão passar pelo estado do Rio durante a Copa. Magnavita ressaltou que os argentinos não se limitam à capital: "quem estava no Rio pôde ver um grande número de argentinos na rodoviária partindo para Búzios e Petrópolis. É uma massa que descobriu o interior do estado".

No ano passado, outra invasão de argentinos – e de latinos, de forma geral – tomou conta das ruas do Rio com a Jornada Mundial da Juventude [JMJ], que, na visão do ministro da Secretaria de Aviação Civil, Moreira Franco, dificilmente será superada. "Nenhum evento vai trazer, de maneira concentrada, o número de latinos que tivemos com a JMJ. Tenho recomendado à Infraero [Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária] e aos novos concessionários e operadores dos aeroportos que devem ter sinalização em espanhol. O número de turistas que falam espanhol e que vêm ao Rio é superior ao dos que falam inglês", destacou.

Já o ministro do Turismo, Vinícius Lages, ressaltou que, apesar do grande número de estrangeiros trazidos pelo evento religioso, houve ociosidade na rede hoteleira. "A JMJ teve uma hospedagem alternativa, e tivemos ociosidade na capacidade hoteleira do Rio de Janeiro. As pessoas se hospedavam principalmente em igrejas e clubes".

Magnavita disse que, ontem (15), fez o percurso que um argentino faria saindo do Aeroporto Santos Dumont em direção ao estádio, usando o transporte público e vestindo o uniforme azul e branco. Segundo o secretário, tanto no ônibus quanto no metrô e no caminho feito a pé, tudo correu bem, mas houve um problema no estádio. "Não houve padrão Fifa nas lanchonetes. Faltou comida, principalmente no Setor C. Algumas não se prepararam em termos de capacidade elétrica e forno, e a Vigilância Sanitária estava lá para impedir que alimentos não acondicionados fossem vendidos", ressaltou Magnavita.

Tags: . invasão, estádio, maracanã, Rio, turismo

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.