Jornal do Brasil

Sexta-feira, 22 de Agosto de 2014

Rio

Ativistas são levados à Delegacia de Repressão na manhã desta quarta-feira

Entre eles está Sininho. Ela prestaria depoimento contra major da PM nesta tarde

Jornal do Brasil

Policiais da Delegacia de Repressão a Crimes contra a Informática (DRCI), em continuidade às investigações iniciadas no ano passado, realizaram operação na manhã desta quarta-feira (11) para cumprir 17 mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça. Segundo a assessoria da Polícia Civil do Rio de Janeiro, 10 pessoas foram levadas à delegacia para serem ouvidas, mas não foram presas. Elisa Quadros, conhecida como Sininho, Eduarda Castro, Thiago Rocha e um menor estariam entre os que foram levados à DRCI na Cidade da Polícia, no Jacaré, Subúrbio do Rio. Sininho, no entanto, teve depoimento remarcado para sexta-feira, às 11h. A ação acontece na véspera da abertura da Copa do Mundo da Fifa e contou também com apreensão de computadores e mídias em endereços na Barra da Tijuca, Centro, Copacabana, Catete, Bangu, Niterói e Botafogo.

>> Advogado: operação policial contra ativistas representa estado de exceção

>> Beltrame: não há relação entre depoimento de ativistas e manifestação 

Ainda de acordo com assessoria da Polícia Civil, as ordens judiciais foram cumpridas na casa de pessoas investigadas por participação direta ou indireta em prática de atos violentos durante protestos. A ação é um desdobramento do inquérito da DRCI que, em 4 de setembro do ano passado, prendeu e indiciou três homens por formação de quadrilha e incitação à violência. As investigações continuam em andamento e o inquérito está em segredo de Justiça. A operação contou com o apoio de 13 delegacias especializadas.

Sininho foi levada à Delegacia, mas foi liberada antes de prestar depoimento, que foi remarcado para sexta-feira (13)
Sininho foi levada à Delegacia, mas foi liberada antes de prestar depoimento, que foi remarcado para sexta-feira (13)

Sininho, de acordo com informações da mídia independente, foi uma das que tiveram computadores apreendidos em sua casa. Ela teria sido uma das primeiras a ser liberada, sem prestar depoimento, que foi remarcado para a manhã de sexta-feira. Ela prestaria depoimento às 13h30 desta quarta contra o Major Pinto, que responde a processo por constrangimento ilegal junto ao tenente Bruno Ferreira, por tentarem forjar flagrante no dia 30 de setembro do ano passado contra manifestante menor de idade, que chegou a ser levado algemado à delegacia, durante um protesto de professores na Cinelândia. 

Os dois acusados abordaram um manifestante e revistaram sua mochila. Um vídeo feito por uma equipe de reportagem e divulgado em seguida mostra o tenente Bruno Andrade, momentos antes, com um morteiro na mão. O major Pinto se aproxima e dá voz de prisão ao jovem, afirmando que o mesmo portava o artefato. Eles serão os primeiros policiais a responder por abusos cometidos durante os protestos e já foram ouvidos em audiência anterior. O processo corre na Justiça Militar do Tribunal de Justiça do Rio

Tags: ativistas, manifestantes, polícia, prisão, protesto

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.