Jornal do Brasil

Domingo, 26 de Outubro de 2014

Rio

Professores, rodoviários, garis e servidores param o Centro do Rio

Mais cedo, foi a vez de manifestações dos funcionários da Cedae e de sem-teto

Jornal do Brasil

Professores, rodoviários, estudantes, garis e servidores pararam o Centro do Rio na noite desta quinta-feira. Após a assembleia que decidiu pela continuidade da greve, cerca de 400 professores se dirigiram à Candelária, onde se encontraram com outras categorias. O protesto unificado seguiu pela Avenida Rio Branco em direção à Cinelândia.

Devido à interdição da Avenida Rio Branco, no sentido Aterro, a pista lateral da Avenida Presidente Vargas foi interditada no sentido Candelária, perto da Avenida Passos. Os veículos que seguiam no sentido Candelária da Avenida Presidente Vargas foram desviados para a pista central ou para a Avenida Passos.

Segundo a Polícia Militar, 100 homens dos Batalhão de Grandes Eventos acompanhavam a manifestação.

>> Professores do RJ mantêm greve e marcam ato para segunda feira

>> Ex-ocupantes do prédio da Oi fazem protesto no Centro

>> Funcionários da Cedae protestam no Palácio Guanabara

Mais cedo, a assembleia dos rodoviários terminou com racha entre a comissão dissidente que mantém estado de greve da categoria. Um dos líderes do movimento, Hélio Teodoro, foi acusado de tentar fechar um acordo com o sindicato e decidiu deixar a liderança. Reunidos na Candelária, os motoristas e cobradores não chegaram a uma definição sobre novas paralisações até a definição de uma nova assembleia. Uma reunião com o sindicato foi agendada para as 10h desta sexta-feira (6).

Outro protesto também interditou vias do Centro no início da tarde. Ex-ocupantes do prédio da Oi no Engenho Novo fecharam a Avenida Presidente Vargas e provocaram grandes congestionamentos.

A primeira manifestação do dia foi de funcionários da Cedae. Eles saíram do Largo do Machado em direção ao Palácio Guanabara, onde houve reunião sem acordo com representantes do Governo do Rio. A Rua Pinheiro Machado foi fechada por quatro horas. Na reabertura, às 16h30, houve tumulto e a PM usou bombas de efeito moral. Um manifestante foi detido. 

As passeatas desta quinta-feira travaram o trânsito no Centro, Laranjeiras, Santo Cristo, Botafogo, Flamengo e Lapa.

Tags: magistério, manifestações, Rio, servidores, unificado

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.