Jornal do Brasil

Terça-feira, 21 de Outubro de 2014

Cultura

ACRJ premia empresas e personalidades por contribuições a cultura e educação

Cerimônia foi realizada na Cidade das Artes com apresentação da Orquestra Sinfônica

Jornal do Brasil

O investimento de empresas e entidades em cultura e educação foi reconhecido e premiado pela Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ) em noite de gala realizada na Cidade das Artes nesta segunda-feira (2). Como resumiu o presidente da ACRJ, Antenor Barros Leal, em conversa com o JB, são as duas áreas que mais precisam de investimento e justamente as que têm o poder de abrir os horizontes das pessoas. "Estamos aqui hoje homenageando entidades que durante anos vem se preocupando com educação e cultura."

José Efromovich, presidente da Avianca, uma das premiadas, também ajuda a dar o tom da iniciativa: "Uma empresa existe não apenas para gerar resultados financeiros, uma empresa deve contribuir ativamente para a sociedade, investindo seus recursos em atividades que gerem o bem comum".

A Cerimônia de Entrega do Prêmio Visconde de Mauá Cultura 2013 e Educação 2014 contou com apresentação da Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB), regida pelo maestro oficial Roberto Minczuk, e de Marcos Araraki. A programação foi montada especialmente para o evento, com Mozart, Villa-Lobos, Mendelssohn e Haydn.

Os vencedores do Prêmio de Cultura foram a Avianca Brasil, o Instituto Itaú Cultural e a Light. Na categoria pessoa física, o ganhador foi o diretor-presidente do Banco Bradesco S/A, Luiz Carlos Trabuco Cappi, representado por Marco Antonio Rossi, vice-presidente do Banco Bradesco e diretor-presidente da Bradesco Seguros. A Menção Honrosa foi concedida ao maestro Minczuk da OSB.

De acordo com Ricardo Cravo Albin, presidente do Conselho Empresarial de Cultura da ACRJ, o prêmio de reconhecimento ao investimento em cultura, realizado há 10 anos, já homenageou mais de 30 entidades e empresários que empenharam esforços na "face mais solar, iluminada, de um povo que se preze". 

José Efromovich, presidente da Avianca, comentou com o JB sobre a importância do prêmio e o caminho percorrido pela empresa na área cultural. Destacou a criação em 2011 do programa Avianca Cultural, que patrocina iniciativas e que leva espetáculos para diversas cidades brasileiras, fora do eixo Rio-São Paulo. "Embarcamos nesse voo e é algo que fazemos com muito prazer", disse. Foram 28 projetos culturais patrocinados em 2013, assistidos por 1 milhão de pessoas. Neste ano, o objetivo é alcançar 1,2 milhão de espectadores. 

O Itaú Cultural, representado por seu diretor Eduardo Saron, completa 27 anos em 2014 e tem sede no Rio de Janeiro, com apoio a diversos espaços importantes para a cultura da cidade, como o MIS, o MAR, e apoio a pesquisa e restauro no Parque Lage, entre outros espaços. Em 2013, foram mais de 40 atividades apoiadas no Rio. 

A Light, por sua vez, ganhou destaque com projetos como o Travessia e o Favela Criativa. Paulo Roberto Pinheiro Pinto, presidente, compareceu à premiação e aproveitou para destacar a longa trajetória da empresa de 109 anos de história e do trabalho do seu Centro Cultural, aberto há 20 anos, que oferece diversas atividades culturais à comunidade, como teatro e exposições.

Os agraciados com o Prêmio de Educação foram a Folha Dirigida, a Fundação Bradesco e a Secretaria Municipal de Ciência e Tecnologia do Rio, pelo programa Naves do Conhecimento. O troféu de Honra ao Mérito foi entregue ao Colégio Santa Mônica, pelo projeto de unidade assistencial de ensino na Maré.

Celso Niskier, presidente do Conselho Empresarial de Educação da ACRJ, alertou que o problema da educação no país não é a falta de recursos, mas a gestão eficiente deles, ação que estaria sendo bem realizada pelas entidades homenageadas.

A Folha Dirigida, representada pelo presidente e um de seus criadores, Adolfo Martins, completa 29 anos em 2014 e distribui 1 milhão de exemplares mensais pelo país, motivado pelo objetivo de sua criação, oferecer conteúdo voltado à cidadania, empregabilidade e educação, em uma missão guiada por um Jornalismo Cidadania, como definiu Adolfo Martins. 

A Fundação Bradesco foi lembrada pela atuação com 40 escolas próprias pelo país, com grandes investimentos para ampliar os horizontes e oferecer novas perspectivas, como explicou o diretor João Sabino. 

A Secretaria Municipal de Ciência e Tecnologia do Rio, pelo programa Naves do Conhecimento, de acordo com a ACRJ, permitiu o acesso a conteúdos inovadores em diversas áreas carentes. Franklin Dias Coelho, secretário especial, destacou a importância do arquiteto do projeto, que inspirou a criação dos conteúdos inovadores, e da professora Maria Helena Jardim. 

O Colégio Santa Mônica, por fim, ganhou destaque pela sua unidade no Complexo da Maré, criada em 2002, que já atendeu 1.200 alunos, do ensino infantil ao médio, com oferta de bolsa integral, uniformes, atividades culturais e ensino de línguas. Estiveram presentes o superintendente do Santa Mônica, Felipe Souza, e a diretora pedagógica do projeto, Fátima Denise Nunes. 

Na ocasião, os convidados do evento tiveram a oportunidade de conhecer o cenário da moda italiana, do pós-guerra aos dias atuais, pela exposição Italian Glamour. Com peças das coleções de Enrico Quinto e Paolo Tinarelli, os vestidos apresentam a contribuição italiana à moda na parte artística, de design, criação e tecnologia.

Tags: antenor barros leal, associação comercial, cultura, educação, Rio de Janeiro

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.