Jornal do Brasil

Segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

Rio

Moradores de Teresópolis atingidos por enchente em 2012 não vivem clima de Copa

Agência Brasil

Enquanto o clima na região central de Teresópolis é de festa para receber a Seleção Brasileira de Futebol a partir desta segunda-feira (26), em bairros afastados a sensação é de apatia e até revolta. Se a entrada da cidade está decorada com pórtico e bandeiras coloridas, na zona rural a cor predominante é a da poeira e das marcas deixadas pela enxurrada que provocou mais de 900 mortes em toda a região serrana, cerca de 350 só em Teresópolis.

Pessoas que perderam tudo nas chuvas de janeiro de 2011, incluindo casa e parentes, reclamam de abandono e dizem que não estão nada entusiasmadas com a Copa. “Para mim, não tem clima de festa nenhum. Eu perdi minha família quase toda. Perdi minha mulher e minha filha. Minha casa, não ficou um tijolo em pé. Só não morri porque Deus não quis me levar. Mas torcer pela seleção, nós vamos torcer”, disse o cortador de pedras Luiz Cláudio Carvalho dos Santos que, na última sexta-feira (23), cortava à mão uma rocha, fazendo lajotas e paralelepípedos, no que restou do bairro de Campo Grande, o mais afetado na cidade.

Campo Grande foi arrasado por uma cabeça d´água que desceu da serra e destruiu as casas em poucos minutos, deixando dezenas de mortos. Todos os moradores foram posteriormente retirados do local e os imóveis foram condenados e demolidos. Poucas ruínas ainda permanecem em pé, como testemunho da pior tragédia natural da história do país. Dentro de algumas ainda estão restos do que já foi uma residência, com sofá, cama, móveis de cozinha, objetos pessoais e roupas, tudo estragado pela água e pelo tempo. O difícil para os moradores é esquecer as cenas que viram na noite do dia 11 de janeiro de 2011.

O local se parece hoje mais com um bairro fantasma, com poucas pessoas que resistiram em sair. O comércio, que já teve até supermercado, se resumiu a dois bares na beira da estrada. “Hoje em dia, a gente trabalha para sobreviver, pois não tem quase ninguém. Da minha parte, não tem clima para festa ou Copa. Tem muita gente que não está nem aí para as coisas. Quem mora aqui está abalado até hoje. Antigamente, em época de Copa, isto aqui era tudo enfeitado. Hoje você não vê nada disso, não  tem mais animação. Eu só continuo no comércio para dar assistência às pessoas que ficaram aqui. Seria injusto, da minha parte, não fazer isso”, contou o comerciante Ricardo Cavalcante. Ele chegou a ter três comércios antes da tragédia e atualmente sobrevive com um bar, onde vende bebidas, linguiça frita e alguns mantimentos para os poucos moradores de Campo Grande, cujo único lazer se resume a duas mesas de sinuca.

Outras pessoas perderam, por causa da tragédia, até mesmo o emprego. O técnico de enfermagem Bruno Polderman, que nos dias que se seguiram à enxurrada trabalhou no resgate de feridos e na retirada dos mortos, hoje não consegue trabalho. Por causa da água suja, contraiu uma bactéria que provocou duas feridas profundas em sua perna, hoje transformadas em grandes cicatrizes. “Eles não me encostam. Só que eu não consigo emprego na minha área, por causa das cicatrizes causadas pela bactéria. Minha casa foi condenada, mas nunca me indenizaram”, disse Bruno, que ainda mora no mesmo imóvel: “Eu, particularmente, não quero saber de Copa. Aqui está tudo abandonado. Na cidade fizeram só maquiagem, para agradar os turistas”.

De acordo com a prefeitura de Teresópolis, entre agosto e setembro deste ano serão entregues as primeiras 250 casas para os desabrigados de 2011, devendo chegar a 700 unidades até dezembro deste ano. A meta é, até 2015, entregar um total de 1.600 residências. A maioria dos atingidos recebeu indenização ou continua recebendo aluguel social.

Tags: campo grande, chegada, Copa, enchente, seleção, teresópolis

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.