Jornal do Brasil

Sábado, 26 de Maio de 2018 Fundado em 1891

Rio

Deputado pede audiência para avaliar crateras nas obras do metrô em Ipanema

Consórcio diz que rocha desprendida durante escavações causou o acidente e tatuzão vai continuar

Jornal do Brasil

O deputado Luiz Paulo (PSDB-RJ) entrou esta semana com um requerimento na Comissões de Transporte e de Obras do Rio de Janeiro pedindo a realização de uma audiência pública para as autoridades esclarecerem o surgimento de duas crateras na rua Barão da Torre, em Ipanema, Zona Sul da cidade, em função das obras de expansão do metrô. Na ação, o deputado pede que sejam convocadas para os moradores da região, o Consórcio Linha 4 Sul, as secretarias de Estado de Transportes e da Casa Civil, além da Defesa Civil do município. 

Em nota, consórcio diz que o acidente foi provocado por um comportamento anormal e pontual de uma rocha fraturada que se desprendeu durante a escavação do túnel. A Linha 4 afirma ainda que o chamado tatuzão é o melhor método para esse tipo de obra e vai continuar a ser utilizada nas escavações em Ipanema. 

>> Defesa Civil e consórcio vão apresentar plano de emergência após cratera

>> Moradores de Ipanema estão apreensivos com abertura de crateras

>> Moradores de Ipanema pretendem entrar com ação contra empreiteiras da Linha 4

As crateras apareceram na madrugada do dia 14 de maio e provocaram pânico entre os moradores dos prédios do local. A Defesa Civil paralisou as obras da Linha 4. De acordo com Luiz Paulo, que é engenheiro civil formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), os afundamentos na rua se devem em função da ação do tatuzão, máquina que está perfurando o túnel em uma região arenosa. “Um dia o mar chegava até ali e a areia é um dos solos mais complexos para você fazer escavação, pois os grãos não se unem”, explica.

O parlamentar diz pode ter havido fuga de areia no momento em que o tatuzão ia furando o solo, desestabilizando a superfície do entorno e provocando o afundamento. “Pode ter havido infiltração de uma galeria de água fluvial que se rompe ou então de uma pequena adutora, o que também pode promover fuga de areia”.

Para o deputado, o principal esclarecimento que as autoridades podem fornecer é se houve falha no projeto, na execução ou se houve questões imprevisíveis. “Na forma como esse projeto foi desenvolvido, sem licitação e sem estar no planejamento metroviário da nossa cidade, as hipóteses de um projeto incompleto ou de uma falha na execução, ou até mesmo as duas associadas, é uma hipótese provável”, avalia Luiz Paulo.

Luiz Paulo afirma que é necessário profissionais habilitados do ramo vistoriando o local e propondo soluções técnicas para se evitar riscos de outros afundamentos, de abalo de qualquer prédio da Rua Barão da Torre para que a obra possa ter continuidade. “É fundamental para que os moradores do local, que já têm o seu cotidiano profundamente afetado pelas interdições, possam dormir em segurança, porque estão todos profundamente assustados”, concluiu.

"Tatuzão" fica, diz consórcio

O consórcio Linha 4 do metrô, que engloba as construtoras Odebrecht Infraestrutura, Carioca Engenharia e Queiroz Galvão, informou em nota, nesta terça-feira (20/5), que o resultado das análises do assentamento de solo ocorrido na madrugada de 11 de maio, na Rua Barão da Torre, "demonstra que o incidente foi causado por um comportamento anormal e pontual na face de uma rocha fraturada durante a escavação do túnel do metrô no subsolo da via". O consórcio explica que a rocha se desprendeu e afetou pequenos blocos vizinhos, ocasionando a descompactação do terreno. "Desse modo, o processo evoluiu até a região de solo arenoso, e repetidamente até chegar à superfície.", diz o comunicado.

O estudo mostra ainda que quatro fatores foram essenciais para que o incidente tenha sido localizado e restrito: o método de escavação empregado, o tratamento prévio do solo, o monitoramento da estabilidade do terreno e das edificações do entorno, e a pronta aplicação do Plano de Contingência e Emergência de forma eficiente. A concessionária afirma que, assim que foi constatado o primeiro desnível na superfície, a área foi isolada, a escavação suspensa e também foi verificado que não havia nenhum risco para as fundações dos edifícios do entorno, "pois tratava-se de um evento localizado. Com a área isolada, os serviços de água e gás foram interrompidos e as cavidades, preenchidas com concreto.", garante o consórcio. 

A nota ressalta que obras desse porte exige que os imóveis da região das escavações dos túneis e estações devem ser monitorados permanentemente, e os prédios recebem instrumentos (pinos de recalque e clinômetros) que possibilitam o acompanhamento de como as edificações se comportam antes e durante as obras. "Todas as medições desta instrumentação estão dentro dos limites esperados, sem risco para as edificações.", afirma a nota se referindo às edificações da Barão da Torre. Diz ainda que  o 'Tatuzão' é o equipamento mais adequado e seguro para executar esse tipo de obra na Zona Sul do Rio e que o método será mantido. 

Os estudos identificaram também a necessidade de fazer um tratamento prévio de solo na região da Rua Barão da Torre, por ser um trecho de desemboque na transição da rocha para a areia, com rochas fragmentadas e água - "característica que não se repete nestas configurações ao longo do traçado do túnel". Segundo o consórcio Linha 4, foi injetado calda de cimento no subsolo antes de iniciar as escavações, para minimizar a diferença entre as características de materiais encontrados no terreno. Este procedimento contribuiu para que o incidente tenha sido localizado, como mostra o resultado da análise do assentamento de solo na Barão da Torre.

Para retomar a obra de construção do túnel entre Ipanema e Gávea, o Consórcio vai iniciar nos próximos dias serviços que devolvam a coesão ao terreno. Serão feitas injeções de cimento no solo, além de adotadas outras medidas no processo de escavação para evitar novos incidentes, com o uso de polímero de alta densidade aliado a material selante.



Tags: Metrô, Rio, audiência, cratera, deputado, escavações, tatuzao

Compartilhe: