Jornal do Brasil

Segunda-feira, 28 de Julho de 2014

Rio

Reajuste da tarifa de trens e metrô desagrada passageiros

Jornal do BrasilLouise Rodrigues*

O aumento no preço das passagens do trem e do metrô do Rio desagradou quem usa os serviços. No primeiro dia útil após a mudança, a principal reclamação era sobre a qualidade dos transportes. A partir desta segunda, quem viaja de trem passa a pagar R$ 3,20 (aumento de 10,34% no valor de R$ 2,90). Já quem usa o metrô terá que desembolsar R$ 3,50 (reajuste de 9,3% no valor de R$ 3,20). O valor do Bilhete Único não sofreu reajuste.

Ivonildes de Souza, de 36 anos, é mãe de Nívia Duarte, que usa o trem diariamente para chegar ao colégio. Para Ivonildes, “esse aumento prejudica um pouco e nem todos os trens estão em bom estado”. Nívia também questiona o aumento das tarifas. “O serviço não é tão bom. Tem vezes que eu fico muito tempo esperando e o trem não passa. Às vezes eu chego até atrasada. O preço que eu pago não é justo”, diz a adolescente.

O estudante Edson Davi, de 16 anos, também não se mostrou satisfeito com o novo preço da passagem de trem. “O preço das passagens deveria estar em sintonia com o serviço que é prestado pelas concessionárias de transporte:  SuperVia, Metro Rio e empresas de ônibus. Antes desse aumento ser efetivado, deveria ser feita uma pesquisa de satisfação para saber a opinião dos usuários”. Edson também questionou a qualidade do serviço prestado pela SuperVia, empresa que administra os trens do Rio de Janeiro. “De certa forma, o preço que eu pago não é justo para o serviço que eu recebo. No caso da SuperVia, por exemplo, eles estão cobrando R$ 3,20 para um serviço feito, às vezes, por um trem de 1985, sem praticamente conforto nenhum. É só um exemplo do que é oferecido hoje nas estações de trem. Além da infraestrutura bem inferior a de outros países”, avalia.

Nilberto Cândido é motorista e conta que usa o trem com frequência. Para ele, “o preço cobrado é muito alto e o serviço não é bom”. O motorista reclama que alguns trens são precários e existem vagões sem ar condicionado ou escuros. Nilberto também critica a superlotação, principalmente nos horários de pico. “Além de tudo, eu me complico na minha empresa com esses reajustes. Tenho que ficar falando com meu superior que aumentou, seja o ônibus, o trem ou o metrô. Fico constrangido”, reclama. 

Auxiliar de serviços gerais, Jaqueline Oliveira também criticou a nova medida: “A SuperVia não oferece um bom serviço. Os trens ficam muito cheios e as vezes demoram para passar. O valor da passagem está muito alto e não é um preço justo”.

Entre os usuários do metrô, a situação não é diferente. A insatisfação de Vitor Pedro Rocha, um estudante de 16 anos, também é compartilhada por outros passageiros. “Pelo serviço prestado, eu acho que o aumento da passagem não foi a melhor coisa a se fazer. Eu que sou estudante só sinto o peso no bolso quando vou para outros lugares, sem ser a escola. O serviço poderia melhorar bastante. O preço que eu pagava antes já era meio salgado para o que eles oferecem. Para ir para a escola eu tenho que usar o metrô, já para ir para outros lugares eu tenho outras opções. O problema é que essas outras opções também  têm um preço que não é razoável. Eu até posso usar o trem, por exemplo, mas prefiro usar o metrô. O trem é ainda pior que o metrô. A SuperVia nem devia ter cogitado aumentar a passagem porque eles têm vários problemas, como a superlotação, e trens que circulam sem ar condicionado”, critica.

Solange Porto e Tainara Araújo são representantes e trabalham juntas. Elas usam o serviço do metrô diariamente e também não estão satisfeitas com o aumento da passagem. Solange acredita que “o preço pago não vale o serviço que eles oferecem. Tem sempre muita gente no metrô, está sempre tumultuado e tem atraso”. Para justificar sua insatisfação, ela conta sobre os problemas de organização que já teve que enfrentar para chegar ao trabalho “Uma vez eu peguei o metrô no Largo da Carioca e não tinha como passar o bilhete. Eles tiveram que liberar as pessoas porque estava lotado e com muito atraso. Além disso, o atendimento dos funcionários do metrô é razoável. Têm seguranças que são atenciosos e outros mais ou menos. Acho que o preço que eu pagava antes do aumento já não era justo, devido a situações como essas que eu falei. Agora que não é mesmo.”, critica.

Tainara concorda com a colega e conta que prefere usar o metrô porque, nos trens, a situação é ainda pior. “Nos trens, alguns vagões não tinham porta e as pessoas ficavam se segurando para não cair nos trilhos. Esse aumento nas passagens do metrô e do trem com certeza não é justo, basta comparar com o preço em outros estados do Brasil. Seria muito bom se eles abaixassem esse preço porque ele é abusivo pela falta de qualidade dos transportes”, avalia.

* Do Programa de Estágio do Jornal do Brasil

Tags: Críticas, insatisfação, metrô rio, qualidade, supervia, tarifa

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.