Jornal do Brasil

Domingo, 26 de Outubro de 2014

Rio

Delegado diz que homens ficaram na casa do coronel por 8 horas

Coronel reformado do Exército, Paulo Malhães teria sido morto por asfixia, não por tiros

Agência Brasil

O delegado Fábio Salvadorete, encarregado das investigações sobre a morte do coronel reformado do Exército Paulo Malhães, confirmou há pouco que foram três homens que entraram no sítio do militar, em uma área rural de Nova Iguaçu, Baixada Fluminense. Eles fizeram a mulher dele e o caseiro reféns e ficaram na casa por oito horas.

De acordo com o delegado, a polícia tomou conhecimento da morte do coronel Malhães, por volta das 9h da manhã desta sexta-feira (25). Os homens levaram armas antigas que o militar colecionava e computadores da casa. O delegado Fábio Salvadorete informou que a vítima não foi morta a tiros e sim por asfixia, mas que aguarda o laudo do Instituto Médico-Legal que determinará a causa da morte.

A Polícia Civil informou que a mulher do coronel reformado e o caseiro foram ouvidos. Os agentes buscam imagens de câmeras de segurança que possam auxiliar na identificação dos criminosos. O caseiro será encaminhado para ajudar no retrato falado dos assassinos.

Ex-agente do Centro de Informações do Exército, Paulo Malhães foi o primeiro militar a admitir que  torturou, matou e ocultou cadáveres de presos políticos durante a ditadura militar.

Tags: coronel reformado do exército, ditadura, morte, paulo malhães, tortura

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.