Jornal do Brasil

Quarta-feira, 1 de Outubro de 2014

Rio

Manifestantes expulsos de ocupação no Rio fazem passeata por moradia

Agência Brasil

Um grupo de manifestantes fez uma passeata, no início da noite de hoje (16), pelo centro do Rio, pedindo moradia. Eles foram expulsos com violência na última sexta-feira (11) do prédio que ocupavam, pertencente à empresa Oi e batizado de Favela da Telerj, na zona norte da cidade. A maioria não tem mais condições de continuar a pagar o valor do aluguel, que praticamente dobrou nos últimos dois anos. Um quarto e sala na maior parte das favelas não sai por menos que R$ 350 por mês.

>> Prefeitura diz que cerca de 1,5 mil desabrigados já foram cadastrados

O grupo saiu em caminhada da frente da prefeitura, no bairro Cidade Nova, e caminhou cerca de 5 quilômetros, até a frente da Câmara de Vereadores, na Cinelândia, onde permaneceu nas escadarias. A Polícia Militar acompanhou a passeata, mas não precisou intervir, pois o protesto foi pacífico. Eles foram recebidos pelo vereador Renato Cinco (PSOL), que prometeu ajudá-los a encontrar uma solução.

“No Rio de Janeiro e no Brasil, nós temos um déficit habitacional absurdo, de cerca de 5 milhões de residências, porque as autoridades fecham os olhos para a especulação imobiliária. Segundo o censo de 2010, nós temos mais de 6 milhões de imóveis vazios no país, número maior que a necessidade de habitação. A propriedade tem que cumprir sua função social”, disse o vereador.

Os líderes do movimento estudam a possibilidade de ocupar as escadarias da Câmara como forma de garantir maior visibilidade a sua causa. Por enquanto, eles estão vivendo no entorno da prefeitura, embaixo da marquise de um prédio, em condições de muita necessidade, agravada pela chuva e pelo tempo frio.

“Nós estamos recebendo muita ajuda. Têm pessoas que trazem doações e mantimentos. Se não fossem por elas, nós estaríamos passando fome e frio. As pessoas precisam de casa imediatamente, porque não têm onde morar. Não podemos esperar mais cinco ou dez anos. Está cheio de prédios vazios no Rio de Janeiro”, disse Welton Vieira Aranzeiro, que é morador de rua e trabalha como camelô, vendendo balas.

Outras pessoas alegam que perderam tudo, inclusive documentos, quando foram expulsas da ocupação do prédio da Oi. “Eu gastei, só com madeirite [compensado], fora os caibros, R$ 280. Era para ficar lá de vez. Tinha levado até televisão. Não deixaram pegar nada. Só consegui levar minha identidade. Carteira de trabalho, título de eleitor e CPF, ficou tudo lá. A gente está sem chão, sem teto, sem nada. Ficamos sem eira nem beira”, disse a manicure Barbara Cristina Azevedo Silva, que tem uma filha de 3 anos, agora sob os cuidados da avó.

A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social informou que foram cadastradas, até o dia de hoje, 1.486 famílias e que o cadastramento se encerrou. A próxima fase é fazer o levantamento social das pessoas, fazendo uma triagem para ver quem tem maior urgência de atendimento.

Tags: aluguel, expulsos, favela, prefeitura, telerj, violenta

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.