Jornal do Brasil

Sábado, 1 de Novembro de 2014

Rio

Servidores públicos municipais do Rio fazem passeata após deflagrarem greve

Manifestação começou às 11h desta terça. Greve foi anunciada na última segunda

Jornal do BrasilRafael Gonzaga*

Servidores públicos do município do Rio de Janeiro realizaram um protesto na manhã desta terça-feira, em frente à sede da Prefeitura, no Centro. Os manifestantes seguiram em passeata pelas avenidas Presidente Vargas e Rio Branco até a Câmara de Vereadores. Segundo representantes do movimento, cerca de 300 pessoas compareceram à manifestação.

Os servidores públicos entraram em greve na segunda-feira, (7) em assembleia que reuniu cerca de 500 trabalhadores, de acordo com o Sindicato dos Servidores Público do Município do Rio de Janeiro (Sisep-Rio).

Os trabalhadores reivindicam o reenquadramento dos administrativos e desviados da função – datilógrafos, recepcionistas e telefonistas, dentre outros, que exercem atualmente atividades de administrativos. Na pauta de reivindicação está ainda a majoração do vale alimentação em R$ 600, gratificação por qualificação e a revogação da resolução SMA 1225/05 que, de acordo com eles, prejudica a categoria.

Servidores caminham pela Av. Presidente Vargas durante manifestação.
Servidores caminham pela Av. Presidente Vargas durante manifestação.

Segundo o calendário da greve, os servidores irão paralisar suas atividades entre os dias 9 e 16 de abril, e novas assembleias estão marcadas para os dias 11 e 16.

O advogado Frederico Sanches, representante do Sisep-Rio, disse que foi feito contato com a prefeitura e a resposta obtida do chefe de gabinete do prefeito é que as reivindicações não poderiam ser atendidas por falta de orçamento e impossibilidade de aumentos salariais por conta da proximidade de período eleitoral.

A reportagem do JB entrou em contato com o gabinete da Prefeitura, mas ainda não obteve retorno.

Um dos grupos que aderiu ao movimento foi a categoria dos trabalhadores de controle urbano. De acordo com o agente de inspeção de controle urbano Renato Oliveira, eles pedem a inclusão da categoria no projeto de lei nº 561/2013, que contempla com aumentos de salário e gratificação por produtividade outras nove categorias da Secretaria Municipal da Fazenda, com exceção dos agentes de controle urbano.

“Apesar de sermos da secretaria também, ficamos excluídos. Estamos indo para a Câmara reivindicar isso desde o ano passado, toda terça, quarta e quinta”, contou Renato.

Ainda de acordo com os articuladores da greve, os manifestantes estão sendo ameaçados de ter o ponto cortado, apesar de representantes do movimento garantirem que a greve foi protocolada dentro da legalidade.

Tags: controle urbano, greve, manifestação, prefeitura, servidores públicos

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.