Jornal do Brasil

Quarta-feira, 1 de Outubro de 2014

Rio

Major mantém depoimento de que viu Amarildo sair da UPP pela escadaria

Agência Brasil

Em depoimento nesta quarta-feira (2) na Audiência de Instrução e Julgamento do caso Amarildo, o major Edson Raimundo dos Santos, que era comandante da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha na época do desaparecimento do ajudante de pedreiro, manteve a versão de que apenas verificou a documentação dele no dia 14 de julho do ano passado e o dispensou, por não ter nenhum registro ou mandado contra ele.

O major é o primeiro réu no processo a prestar depoimento diante da juíza Daniella Alvarez, da 35ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ). Ele disse que Amarildo compareceu à UPP naquela noite, levado pelo soldado Douglas Roberto Vital Machado, e em seguida o ajudante de pedreiro teria se encaminhado para a escadaria que tem próximo à base da UPP.

“Lembro de ter recebido das mãos do Amarildo uma carteira de trabalho e vários contracheques, era um calhamaço de papel, o que não é comum, normalmente as pessoas só entregam a identidade. Falei com ele, chequei os documentos com a lista de mandados que eu tinha, disse para o Vital liberar porque não tinha nada contra ele. Vi o Amarildo pegando o caminho e indo na direção do muro que vai dar na escada que desce para a Adioneia. Não dá para ver se ele desceu a escada, porque o local é escuro. Ele estava de bermuda, chinelo e sem camisa”.

Santos disse que não conhecia Amarildo, mas havia tido contato anterior ao caso com a esposa dele, Elisabete Gomes da Silva, e quatro filhos dele. Segundo o major, Elisabete passava informações sobre traficantes para a polícia e também pegava doações de comida na UPP.

No interrogatório, que começou por volta de 16h e não havia terminado até as 19h30, Santos disse como chegou ao comando da UPP da Rocinha, falou do mapeamento que fez na comunidade e os preparativos e ações da Operação Paz Armada, que estava em andamento na semana do desaparecimento de Amarildo de Souza. Também disse que não teve um bom relacionamento com o delegado Rivaldo Barbosa, diretor da Divisão Homicídios, que comandou o processo no início.

“Nós pegamos a filmagem da câmera da Adioneia e entreguei para o doutor Rivaldo, mas ele não deu atenção e depois me perguntou sobre a filmagem. Passei outras informações para o doutor Rivaldo, mas ele não deu importância, então eu não tinha mais confiança de mandar ninguém que tinha uma informação nova para a delegacia”.

O major disse também que repassou para Barbosa as filmagens das 80 câmeras da Rocinha no período solicitado. Também hoje foram ouvidas as três últimas testemunhas de defesa: um técnico que fez o concerto das câmeras que haviam parado de funcionar no dia 14 de manhã, dia do desaparecimento, um domingo, motivo pelo qual o concerto não teria ocorrido imediatamente, e duas pessoas que tiveram contato profissional com Douglas Roberto Vital Machado antes dele entrar para a Polícia Militar.

Na última quarta-feira (26), depuseram 13 testemunhas de defesa. Ainda faltam ser interrogados os 24 acusados no processo, além do major Edson Santos. Eles são acusados de tortura, ocultação de cadáver, formação de quadrilha e fraude processual, além de participação por não impedir a ação.

Tags: instrução, julgamento, pedreiro, policiais, rocinha

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.