Jornal do Brasil

Sábado, 20 de Dezembro de 2014

Rio

Arcebispo do Rio celebra missa nesta quarta por José de Anchieta

Jornal do Brasil

O jesuíta José de Anchieta será canonizado pelo Papa Francisco nesta quinta-feira, dia 3 de abril. A cerimônia foi adiada em um dia, mas as celebrações no Rio de Janeiro continuam mantidas. O arcebispo do Rio de Janeiro, Cardeal Orani João Tempesta, presidirá missa em ação de graças na Catedral Metropolitana de São Sebastião, nesta quarta-feira, 2 de abril, às 18h. O Papa Francisco celebrará missa em ação de graças no dia 24 de abril na igreja romana dos jesuítas, Chiesa del Gesù.

De acordo com Dom Orani, José de Anchieta marca a história do Brasil e a evangelização da juventude. “Vamos pedir a Deus para que esse grande homem, esse jovem que veio para o Brasil, que deu sua vida aqui, nos inspire para que possamos viver a nossa vida de fé, falar de Jesus Cristo a essas novas gerações”, ressaltou Dom Orani. O cardeal relembrou a alcunha do novo santo de “apóstolo do Brasil”. Em 1553, com 19 anos, foi convidado a vir para o Brasil como missionário, quando era noviço da Companhia de Jesus.

O arcebispo disse ainda que vivemos uma “mudança de época e de valores que são muito sérias”. A canonização de Anchieta mostra que a Igreja “reconhece pela sua vida, pelo trabalho que fez, pela sua pregação um grande evento que deve ser difundido pelo mundo afora”.

Além de ser emblemático para a história do Brasil, José de Anchieta também é uma “figura universal”, de acordo com o antigo reitor da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e doutor em Direito Canônico, padre Jesus Hortal Sánchez.

A canonização era aguardada por fiéis de todo o país dada a popularidade do jovem, que soube unir povos e culturas. “Representa esse ideal da unidade em torno da mesma fé e da mesma cultura que se acaba formando pela fusão do português e do indígena. Creio que realmente é uma alegria muito grande e especialmente para nós jesuítas, porque Anchieta foi jesuíta e provincial. Foi uma pessoa importante dentro da nossa Ordem”, explicou o sacerdote.

Processo de canonização

A causa de Anchieta foi iniciada na Capitania da Bahia ainda em 1617, mas não foi dado segmento ao processo. Em 1970, a campanha foi retomada e foi formada uma associação para a beatificação. Ele foi beatificado pelo então Papa beato João Paulo II, em 22 de junho de 1980.

A canonização pelo Papa Francisco veio também como uma resposta a já reconhecida vida de santidade de José de Anchieta. Um dos intercessores da Jornada Mundial da Juventude, Anchieta foi citado pelo Santo Padre em sua homilia na missa de envio no Rio de Janeiro. “Um grande apóstolo do Brasil, o bem-aventurado José de Anchieta, partiu em missão quando tinha apenas 19 anos! Sabem qual é o melhor instrumento para evangelizar os jovens? Outro jovem! Este é o caminho a ser percorrido!”, disse o Santo Papa.

Apesar de extraordinária, a canonização por decreto é bem aplicada ao caso de Anchieta, de acordo com Dom Roberto Lopes, vigário episcopal para a Vida Consagrada e delegado para a Causa dos Santos. “Para o Brasil, já é muito tranquilo desde a sua morte a questão do seu estado de santidade. Então, num processo tão longo, o mais simples é fazer um decreto que tem a mesma validade”.

A criatividade na evangelização é uma grande característica do novo santo, segundo Dom Roberto. Ele lembrou que Anchieta trabalhou com educação, arte, música e dramaturgia. Ele chegou a ter escritos em quatro línguas: latim, espanhol, português e tupi guarani. “Ele é um grande ícone para a juventude. Teve coragem de deixar sua pátria e veio ao Brasil por uma necessidade que havia, e veio para evangelizar. Um grande evangelizador, educador e catequista”, ressaltou.

Vida e história

Nascido em 1534 em Tenerife, nas Ilhas Canárias, na Espanha, foi um religioso fortemente ligado à evangelização no Brasil. Aos 14 anos, foi estudar em Coimbra, em Portugal, e descobriu sua vocação. Em 1551, ingressou na Companhia de Jesus, chegando ao Brasil em 1553.

Foi ordenado sacerdote em 1566, e ocupou o cargo de superior de comunidades e provincial de toda a missão no Brasil. Faleceu no ano de 1597, aos 63 anos, na aldeia jesuítica de Iriritiba, atual cidade Anchieta, no Espírito Santo. Foi sepultado em Vitória (ES).

O jesuíta atuou nos estados de Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo. Teve uma grande importância na articulação da fundação da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, conforme expressou o postulador da causa de Anchieta, padre Cesar Augusto dos Santos, SJ, em artigo publicado no jornal “Testemunho de Fé”.

“José de Anchieta teve papel importantíssimo na motivação para que os índios de São Vicente e de Piratininga ‘embarcassem’ na missão de Estácio”, disse padre César sobre o episódio da retomada da Guanabara pelos portugueses comandados pelo capitão-mor Estácio de Sá e a “fundação” da cidade.

A cidade foi erigida no dia 1º de março de 1565 por Estácio de Sá, com a presença de aliados, especialmente José de Anchieta e alguns indígenas. O local hoje é conhecido como Urca. “O missionário, durante três meses adversos – janeiro, fevereiro e março de 1565 –, manteve o espírito combativo dos indígenas, imprescindível para a fundação do Rio”, destacou padre César. Em 20 de janeiro de 1567, Dia de São Sebastião, padroeiro da recém-fundada cidade, os portugueses conseguiram vencer os últimos redutos de resistência dos franceses.

Causa dos Santos

Até os anos 1200, o processo de canonização era a exumação do corpo do candidato, que já era aclamado como santo pela população. A partir de então, foi dado início ao processo para investigar a vida do santo.

O processo pode ser solicitado pela ordem ou congregação à qual o candidato fazia parte ou pela diocese/arquidiocese onde ele viveu.

O primeiro passo para dar início ao processo de canonização é a concessão do nihil obstat, uma espécie de nada consta que é solicitado à Congregação para as Causas dos Santos. A causa entra a nível arquidiocesano.

Para cada causa é escolhido pelo bispo um postulador, espécie de advogado, que tem a tarefa de investigar detalhadamente a vida do candidato para conhecer sua fama de santidade.

O candidato recebe o título de Servo de Deus quando a causa é iniciada. O primeiro processo é o das virtudes ou martírio. O postulador deve investigar minuciosamente a vida do Servo de Deus. No caso de um mártir, são estudadas as circunstâncias que envolveram sua morte para comprovar ou refutar o martírio. Ao final desse processo, a pessoa é considerada Venerável.

É necessária a comprovação de um milagre para a beatificação. No caso dos mártires, não é necessária a comprovação de milagre.

O terceiro e último passo é o milagre para a canonização. Este tem que ter ocorrido após a beatificação. Comprovado o milagre, o beato é canonizado e o novo santo passa a ser cultuado universalmente.

Informações da Arquidiocese do Rio de Janeiro

Tags: celebração, dom orani, missa, papa, santo

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.