Jornal do Brasil

Terça-feira, 30 de Setembro de 2014

Rio

RJ: forças de segurança ocupam Complexo da Maré em 15 minutos

Portal Terra

Reduto do crime organizado do Rio de Janeiro, o complexo de favelas da Maré, na zona norte da capital fluminense, foi ocupado nas primeiras horas deste domingo pelas forças de segurança do Estado no primeiro passo para a instalação de Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) na região que compreende 15 favelas no total, com aproximadamente 130 mil moradores.

Segundo a Secretaria de Estado de Segurança, “as comunidades foram recuperadas pelas forças policiais sem encontrar resistência, o que permitiu o domínio dos pontos planejados dos territórios em 15 minutos”. Policiais continuam nas comunidades em operações de busca de criminosos, apreensões de armas, drogas e objetos roubados.

Participam da operação 1.180 policiais militares de várias unidades, entre elas o Batalhão de Choque e do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), além de policiais da Corregedoria Interna da PM. O Bope ocupa as favelas Nova Holanda e Parque União, enquanto que o Batalhão de Choque as outras 13 favelas. Da Polícia Civil, o efetivo no local é de 132 pessoas. Uma base móvel do Instituto Félix Pacheco está instalada no 22º BPM (Maré) para fazer a identificação biométrica de suspeitos.

>> Marinha apoia operação de ocupação da Maré

>> População da Maré nos recebeu com sorrisos e aplausos, diz oficial da PM

>> Justiça autoriza revista a casas de moradores do Complexo da Maré

>> Grande quantidade de droga é achada na Vila Olímpica da Maré

>> Rio: "Segurança na Maré veio para ficar", diz Beltrame

>> "É um dia histórico", diz Cabral sobre ocupação na Maré

>> Drogas e armas na Maré são como 'agulha no palheiro'

>> Delegado diz que não será feita varredura na Maré

>> Polícia prende mais de 100 em cerco ao Complexo da Maré

Além disso, os policiais militares usam 14 blindados disponibilizados pela Marinha e um blindado do Batalhão de Polícia de Choque. Agentes do Comando de Operações Táticas da Polícia Federal e do Núcleo de Operações Especiais da Polícia Rodoviária Federal apoiam a operação.

De acordo com a Secretaria de Estado de Segurança do Rio de Janeiro, as comunidades que fazem parte do Complexo da Maré e serão ocupadas são: Praia de Ramos, Parque Roquete Pinto, Parque União, Parque Rubens Vaz, Nova Holanda, Parque Maré, Conjunto Nova Maré, Baixa do Sapateiro, Morro do Timbau, Bento Ribeiro Dantas, Vila dos Pinheiros, Conjunto Pinheiros, Conjunto Novo Pinheiros (Salsa&Merengue), Vila do João e Conjunto Esperança.

O intuito da secretaria de Segurança Pública do Estado é abrir espaço para a entrada do Exército no local, que a exemplo do que ocorreu no complexo de favelas do Alemão, fará a ocupação do local até que o efetivo da Polícia Militar forme o novo efetivo para atuar na Maré – o acordo foi feito junto com ao Ministério da Justiça por intermédio do secretario José Mariano Beltrame e o governador Sérgio Cabral.

O clima no sábado nas comunidades da Maré era de aparente tranquilidade, uma vez que grande parte dos criminosos já deixaram o local, que, diferentemente de outras regiões, tem o domínio de três facões distintas: duas do tráfico de drogas, rivais, além de milicianos.

A Justiça, no último sábado, autorizou a PM a fazer, além do trabalho tradicional de varredura na busca de armas e drogas, a entrar em todas as residências de duas comunidades específicas: favela Nova Holanda e Parque União, tidas como as mais complicadas no que se refere à atuação do tráfico de drogas na região.

No total, atualmente, o Rio de Janeiro conta com 38 UPPs – ainda não existe uma definição de quantas unidades serão instaladas na Maré. No último sábado, na véspera da ocupação definitiva (homens do Bope já atuam há mais de uma semana na região), o governador Sérgio Cabral citou como “muito significativa” a tomada de controle de território “para que a sociedade e poder público possam entrar no local agora com tranquilidade”.

Prisões e apreensões

Por volta das 7h, o Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) anunciou as primeiras prisões no Complexo da Maré. Segundo a corporação, foram presos dois homens com drogas no Beco Uruguai, em Nova Holanda. Os detidos foram flagrados com 24 trouxinhas de maconha e encaminhados para o 21º DP.

A Força de Segurança também apreendeu uma grande quantidade de maconha, suficiente para lotar uma picape da Polícia Federal, escondida em um buraco na sede da Vila Olímpica da Maré. A Vila Olímpica da Maré é um complexo social que visa proporcionar aos moradores da comunidade diversas atividades esportivas, educativas e culturais. Além da grande quantidade da droga, que ainda precisa ser quantificada, foram encontrados um fuzil, uma submetralhadora e munição.

A Secretaria de Segurança solicita a colaboração dos moradores dessas comunidades na denúncia de criminosos, esconderijos e locais onde possam estar guardadas armas, drogas, objetos roubados e outros produtos ilegais. Os moradores podem ligar para o Disque-Denúncia (21) 2253-1177 ou para o 190 da PM.  As forças de ocupação pedem para que moradores andem com documentos de identificação pessoal, assim como documentação de carros, motos e CNH.

O governo pede ainda para que a população denuncie casos de abuso policial. Foram divulgados os telefones de ouvidoria da Polícia Civil – (021) 3399-1199 e da Corregedoria da Polícia Militar (21) 2332 2341

Tags: ação, força, Operação, Rio, upp

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.