Jornal do Brasil

Sexta-feira, 19 de Dezembro de 2014

Rio

Reunião vai definir ações no combate ao crime organizado no Rio

Jornal do Brasil

Uma reunião nesta segunda-feira (24), às 10h, no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) definirá as ações que serão implementadas pela segurança pública do Rio no combate ao crime organizado, com a ocupação por tempo indeterminado de várias comunidades dominadas por facção criminosa que tem orquestrado os ataques às bases de Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs).

No encontro, será definido o esquema de ocupação das comunidades. Vão participar da reunião o governador Sérgio Cabral; o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo; o chefe do Estado-Maior conjunto das Forças Armadas, general José Carlos de Nardi; o secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, além do comandante-geral da Polícia Militar (PM), coronel Luís Castro de Menezes, e o chefe de Polícia Civil, delegado Fernando Veloso.

O governador Sérgio Cabral garantiu que todas as forças policiais estão em estado de alerta durante o fim de semana. As medidas foram tomadas a nível emergencial durante um encontro com a presidente Dilma Rousseff, na tarde desta sexta (21), em Brasília, em vista dos ataques de criminosos a três Unidades de Polícia Pacificadora. 

>> Sérgio Cabral se reúne com Dilma após ataques a UPPs

>> Rio pedirá ajuda das Forças Armadas após ataques a UPPs

>> Ordem para ataques no Rio partiu de presídio, diz Beltrame

>> Violência em Manguinhos deixa 4 mil alunos sem aulas

>> Comandante de UPP de Manguinhos continua internado

Na UPP de Manguinhos, na zona norte, policiais militares foram atacados por criminosos que estavam infiltrados em uma manifestação. Os moradores protestavam contra a desocupação de um prédio ao lado da Distribuidora de Suprimentos Disup, para obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), na Avenida Leopoldo Bulhões. Os criminosos atearam fogo em três contêineres móveis distribuídos pela comunidade, que já foram substituídos. 

O capitão Gabriel Toledo, que havia sido atingido por um tiro de fuzil na perna, está em observação no Hospital da Polícia Militar. Outro policial militar, não identificado, também foi ferido com uma pedrada na cabeça, durante o protesto, mas foi medicado no hospital e liberado.

Também houve registros de ataques à UPPs do Complexo do Lins. Na Rua Maranhão, um dos acessos ao bairro do Lins, um ônibus foi incendiado.

Tags: ataque, morros, ocupação, polícia, unidades

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.