Jornal do Brasil

Segunda-feira, 24 de Novembro de 2014

Rio

Ocupações nas favelas do Rio serão por tempo indeterminado

PM diz que comunidades ocupadas estão dominadas por facção responsável pelos ataques a UPPs 

Jornal do Brasil

Através de um vídeo, o porta-voz da Polícia Militar do Rio, tenente-coronel Cláudio Costa, explicou as operações policiais deflagradas em várias comunidades desde a noite de sexta-feira (21) e disse que as ocupações serão "por tempo indeterminado". 

As comunidades ocupadas são Parque União e Nova Holanda, no Conjunto de Favelas da Maré; Manguinhos; os morros do Juramento e Juramentinho, em Vicente de Carvalho; Para Pedro, no Colégio; e Chapadão, em Costa Barros.

Cláudio Costa afirmou que essas comunidades estão dominadas por uma determinada facção criminosa que vem atacando as Unidades de Polícia Pacificadora. Repetindo o que vem afirmando o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, o porta-voz da PM disse que o governo não irá recuar na política de pacificação e convocou a população a ajudar no combate aos criminosos por meio de denúncias sobre localização de bandidos, armas e drogas.

Balanço das operações

Nessas operações, segundo a PM, dois suspeitos morreram após trocarem tiros com policiais na favela Para Pedro. Três homens foram detidos e um menor apreendido. Foram confiscados ainda um fuzil, uma metralhadora, duas pistolas, drogas, telefones e munição. Também foram encontradas quatro granadas defensivas de uso exclusivo das forças armadas. 

Também foram apreendidos sete quilos de maconha prensada e três de cocaína, um fuzil AK 47, dois carregadores de pistola e uma granada no conjunto de favelas da Maré. Na Comunidade Nova Holanda foram apreendidos uma pistola, um carregador, munições, uma granada, quatro balanças de precisão, quatro rádios portáteis, 91 cápsulas de cocaína e meio quilo de maconha.

No Parque União, o Bope apreendeu um fuzil, uma granada, carregadores de pistola e drogas. Não houve troca de tiros e as ocorrências foram encaminhadas para a 21ª DP (Bonsucesso)

>> Sérgio Cabral se reúne com Dilma após ataques a UPPs

>> Rio pedirá ajuda das Forças Armadas após ataques a UPPs

>> Ordem para ataques no Rio partiu de presídio, diz Beltrame

>> Violência em Manguinhos deixa 4 mil alunos sem aulas

>> Comandante de UPP de Manguinhos continua internado

>> Ações covardes da criminalidade no Rio não ficarão sem resposta do Estado

>> Rio se prepara para chegada de tropas federais

Ajuda federal

Nesta segunda-feira será definido o esquema de reforço do Exército nas comunidades do Rio. O encontro deve reunir representantes do governo do estado, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, e o chefe do estado-maior das Forças Armadas, José Carlos de Nardi.

A solicitação de ajuda federal foi feita diretamente pelo governador Sérgio Cabral à presidente Dilma Rousseff.

Tags: ataques, comunidades, polícia, Rio, unidades

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.