Jornal do Brasil

Quarta-feira, 17 de Setembro de 2014

Rio

Manguinhos: ocupação policial, visita do Papa e IDH africano

Portal Terra

Manguinhos tornou-se epicentro de um dos piores recrudescimentos da longa luta contra a violência no Rio de Janeiro. Nesta quinta, uma operação policial na favela terminou com o comandante da UPP local, o capitão Gabriel Toledo, baleado na perna, mas o saldo do conflito implicou também a deflagração de uma situação que levou o governador Sérgio Cabral (PMDB) bater nas portas de Brasília e pedir ajuda federal à presidente Dilma Rousseff (PT).

"A marginalidade tenta ocupar territórios, desmoralizar a nossa polícia. Mas o Estado é um só, e tem que se mostrar unido e capaz de se mobilizar", afirmou Cabral nesta sexta-feira ao lado do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, após receber o aval da Dilma. "Estaremos juntos, apoiando o Estado do Rio de Janeiro no que for necessário", afirmou Cardozo sobre a união com o Rio em meio à crise entre PT e PMDB nos bastidores políticos de Brasília.

As tropas federais devem já chegar ao Estado neste fim de semana, ecoando a ocupação das favelas em 2012. Mas talvez o cenário seja distinto. Em outubro desse ano, cerca de 2 mil soldados da Polícia Militar acompanhados de 13 blindados da Marinha marcharam e ocuparam o Complexo Manguinhos. A chamada "Pacificação Manguinhos", que era o passo essencial para a implantação da UPP atacada nessa quinta, terminou com hasteamento das bandeiras do Brasil e do Rio de Janeiro na manhã do dia 14 de outubro de 2012.

Policial patrulha rua de favela em meio ao recrudescimento do conflito no Rio de Janeiro
Policial patrulha rua de favela em meio ao recrudescimento do conflito no Rio de Janeiro

>> Comandante de UPP de Manguinhos continua internado

>> Ordem para ataques no Rio partiu de presídio, diz Beltrame

>> Violência em Manguinhos deixa 4 mil alunos sem aulas

>> "Ninguém conseguiu dormir à noite", diz moradora da Favela do Mandela

>> Dilma determina envio de forças de segurança para o Rio

Menos de um ano depois, a mesma favela voltou a tornar um dos palcos nacionais centrais. Já pacificada, teve mais uma vez suas ruas tomadas por policiais, mas também por fiéis que se debruçaram por sobre suas construções e arremedos para ver o então recém eleito papa Francisco. "Não é possível bater em todas as portas. Então, escolhi vir aqui, visitar a comunidade de vocês. A comunidade que hoje representa todos os bairros do Brasil", disse o primeiro Papa latino.

Se Francisco, conhecedor da pobreza e das veias abertas da América Latina que é, tem razão, Manguinhos indica, portanto, que o Brasil ainda é, apesar do esforço slogan presidencial, um país pobre. Como mostrou um levantamento estatístico da Agência Brasil, a Favela do Mandela - localizada na chamada Faixa de Gaza de Manguinhos - apresenta índice de desenvolvimento humano (IDH) de 0,726. Trata-se de um IDH próximo do Gabão (0,755) e da Argélia (0,754) - mas bem inferior ao de bairros como a Gávea (0,970, próximo do IDH noruguês, que é de 0,971).

Tags: ajuda, favela, federal, Rio, violência

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.