Jornal do Brasil

Segunda-feira, 22 de Dezembro de 2014

Rio

MP defende libertação de PMs que arrastaram mulher no Rio

Agência Brasil

O promotor Paulo Roberto Cunha encaminhou um ofício à Auditoria de Justiça Militar em defesa da libertação dos três policiais militares presos por erros no socorro a Claudia da Silva Ferreira, de 38 anos, no último domingo (16). Segundo o Ministério Público do Rio de Janeiro, o promotor recebeu um pedido dos advogados de defesa dos PMs.

Como os três policiais foram presos em flagrante pelo comando do Batalhão de Rocha Miranda (9º BPM), o Ministério Público teria cinco dias para oferecer denúncia contra os policiais e mantê-los presos. O promotor Paulo Roberto Cunha considerou, no entanto, que as investigações ainda estão em curso e ainda não há elementos suficientes para o oferecimento da denúncia.

>> Advogado: Claudia foi colocada na mala porque havia armas no banco traseiro

>> Moradora baleada e arrastada por carro da PM é sepultada no Rio

>> Dilma lamenta morte de mulher arrastada por viatura da PM no Rio

Policiais prestam depoimento no caso da mulher arrastada por viatura da PM
Policiais prestam depoimento no caso da mulher arrastada por viatura da PM

Caberá à Auditoria de Justiça Militar decidir sobre a libertação dos policiais militares. Claudia foi baleada no último domingo, durante uma operação policial. Ela foi socorrida pelos três policiais e colocada no porta-malas do carro. Durante o trajeto para o hospital, a porta abriu e ela foi arrastada por dezenas de metros. Claudia chegou morta ao hospital. O laudo do Instituto Médico-Legal apontou o ferimento do tiro como causa da morte.

Tags: arrastada, mulher, polícia, Rio, tiro

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.