Jornal do Brasil

Segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

Rio

Comandante da UPP de Manguinhos é baleado

Moradores de prédio abandonado atacaram PMs e incendiaram contêineres

Jornal do Brasil

O comandante da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Manguinhos, capitão Gabriel Toledo, foi baleado na coxa direita na noite desta quinta-feira (20) e a sede da UPP incendiada, segundo o RJ-TV. O estado de saúde do militar é estável. Ele foi levado para o Hospital Geral de Bonsucesso. 

Toledo foi atacado durante uma manifestação contra a desocupação de um prédio ao lado da Distribuidora de Suprimentos Disup, para obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), na Avenida Leopoldo Bulhões. Segundo a Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP), durante o protesto, um policial foi atingido por uma pedra na cabeça e carros da polícia também foram atacados. A via foi interditada pelos moradores com a queima de pneus e pedaços de madeira.

Depois disso, criminosos se infiltraram no protesto e iniciaram o tiroteio que atingiu o comandante, segundo a polícia.  O policial atingido na cabeça também foi levado para o hospital Getúlio Vargas.

A coordenadoria informou que os criminosos atearam fogo em um contêiner de uma base avançada da UPP Manguinhos, na comunidade da Coreia. A comunidade ficou sem energia elétrica.

Depois dos confrontos, os ocupantes do prédio fizeram um protesto na Avenida Leopoldo Bulhões, que foi interditada nos dois sentidos, entre a Avenida Dom Helder Câmara e a Rua Uranos. O desvio era feito pela Avenida Brasil, para quem seguia para Benfica.

Também devido ao confronto em Manguinhos, os trens do ramal de Saracurana ficaram completamente parados no início da noite, segundo a SuperVia. As composições ficaram paradas na Central esperando autorização para partir. 

E um outro ataque foi confirmado contra a UPP Camarista Méier, no Complexo do Lins, mas não há informações de como foi a ação dos criminosos.

Tags: ataques, comando, gabriel, tiro, toledo

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.