Jornal do Brasil

Sábado, 17 de Fevereiro de 2018 Fundado em 1891

Rio

Uerj pode perder 900 professores por decisão liminar

Agência Brasil

Às vésperas do início do ano letivo, previsto para a semana que vem, o corpo docente da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) pode perder 900 professores. Uma liminar deferida pela Justiça, a pedido do Ministério Público do Rio (MP-RJ), proíbe a entidade de renovar contratos com professores substitutos ou contratar novos. A ação é de 2011 e a liminar foi concedida no dia 26 de fevereiro pela desembargadora Mônica Sardas, relatora do processo.

Na ação, a juíza diz que “não é possível a contratação temporária para o exercício de cargos e funções de natureza permanente, devendo ser realizado concurso público para tanto, conforme a necessidade do serviço e de modo a não prejudicar a prestação do serviço público”.

Segundo o presidente da Associação de Docentes da Uerj (Asduerj), Bruno Deusdará, os temporários  correspondem a quase 25% dos 3.200 professores da Uerj. “Em relação ao atendimento à graduação eles representam quase 50% das mais de 20 mil horas dos cursos de graduação”, informou Deusdará, ao explicar que os professores titulares acabam se dedicando mais à pesquisa e aos cursos de mestrado e doutorado.

Deusdará ressaltou que muitos departamentos estão com grandes carências, mesmo com as contratações ainda vigentes de substitutos. De acordo com o presidente da Asduerj, isso ocorre sobretudo nos departamentos do Centro de Educação e Humanidades. “Hoje uma situação grave é a do CAp-Uerj [O Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira – CAp-Uerj], do Instituto de Letras da Faculdade de Educação, da Faculdade de Educação de professores de São Gonçalo e de Duque de Caxias, por exemplo”, citou.

Para Deusdará, a universidade precisa de aproximadamente mil professores para atender à demanda da graduação, mas os salários baixos e os poucos concursos tornam a carência de docentes um problema crônico. “O salário de um professor com doutorado é cerca de R$ 5,4 mil, menos de um terço do salário de um procurador do estado. Um professor de universidade federal ganha mais de R$ 8 mil”, comentou. “ Ao longo de 2008, 2009, uma grande processo de exoneração e aposentadoria de pessoas que saíram para assumir empregos em outras universidades”, completou o professor.

Tags: Rio, estado, justiça, magistério, universidade

Compartilhe: