Jornal do Brasil

Domingo, 20 de Abril de 2014

Rio

Por votação unânime, diretório do PT aprova canditadura de Lindberg Farias

Lindberg: 'marcou o fim do período de especulações do PMDB quanto a sua participação nas eleições'

Jornal do BrasilPor Camila Funare*

Mais de mil pessoas, entre partidários e civis, participaram neste sábado (22/2) do Encontro Estadual do Partido dos Trabalhados (PT), que teve como principal objetivo a aprovação da pré-candidatura do senador Luiz Lindberg Farias a governador do Rio de Janeiro. Por votação unânime, dos 350 delegados do PT, foi oficializada a candidatura de Lindberg, que segundo o próprio “marcou o fim do período de especulações do PMDB” envolvendo sua participação nas eleições deste ano. No evento também foram aprovadas as pré-candidaturas dos deputados estaduais e federais do partido.

O presidente nacional do PT, Rui Falcão, e o estadual, Washington Quaquá, também demonstraram satisfação com a candidatura do atual senador, acrescentando que era de extrema importância para o partido resgatar essa militância política, que faz parte tanto da história do PT como da trajetória política do candidato. Adilson Pires, vice-prefeito do Rio, e a filha do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, Lurian Silva, marcaram presença no encontro para prestigiar Lindberg.

Segundo Quaquá, o ato marca a retomada da militância do PT como ator político no Rio de Janeiro. “O estado sem o PT, e com todo o respeito aos nossos aliados, é um estado sem representação popular. Passamos muitos anos sem candidatura no Rio, mas retomamos nossa trajetória de organização popular com a candidatura de Lindberg. Ele retoma a militância daquele povo carioca que lutou contra a ditadura e o governo Collor. Esse mesmo povo que esteve nas ruas em junho do ano passado”, disse o presidente estadual.

Para Lindberg, a votação unânime respalda nacionalmente sua candidatura a governador do Rio de Janeiro. “O PMDB pressionou  para que o PT não tivesse candidato a governador no Rio de Janeiro. No encontro de hoje tivemos a presença do presidente Rui Falcão, que acompanhou todo esse processo. A presença dele legitima esse momento importante. Agora, de uma vez por todas, se encerra esse período de especulações. Definitivamente o PT tem um candidato a governador do Rio e está com uma posição consolidada”, afirmou o candidato.

De acordo com Rui Falcão, houve muita pressão para a pré-candidatura de Lindberg, mas o partido obteve vitória, demonstrada com a oficialização do candidato. “Foram muitos meses de intrigas, fofocas e pressões, mas hoje chegamos a uma marca decisiva. Isso assina a responsabilidade imensa que Lindberg  terá com o povo trabalhador nesse estado", disse. 

Logo após o seu discurso, o presidente nacional anunciou a decisão do partido de candidatar Lindberg Farias a governador do Rio de Janeiro. "O PT, no seu encontro soberano com todos os delegados presentes, consagra Luis Lindberg Farias como candidato a governador do Rio de Janeiro", exaltou ele, enquanto puxava a multidão para as palavras de ordem: "Partido é dos trabalhadores", "Lindberg para governador".

Sobre seu projeto de governo, o candidato afirmou que fará uma campanha para o povo.“O que me dá força é saber que essa candidatura não acontece por um capricho do partido. Ela tem uma causa, que é a de representar os interesses do trabalhador brasileiro. Só se constrói um programa de governo vivendo de perto. Por isso as caravanas de cidadania foram importantes, pois vivenciamos situações do povo. Nossa maior obra é cuidar da vida das pessoas. Nós temos que fazer no Rio o que o ex-presidente Lula e a atual presidenta Dilma fazem no país: olhar para os mais pobres”, disse.

Em seu discurso, Lindberg Farias também fez avaliações negativas sobre as obras públicas, que segundo ele apresentam valores exorbitantes, além de não serem prioridades para a população carioca. “Apontaram prioridades que não eram, de fato, prioridades na vida do povo. Gastaram mais de R$1 bilhão dos recursos públicos para reformar o Maracanã, enquanto a saúde pública e o transporte estão acabados. A obra do Porto Maravilha por sua vez, com a derrubada da Perimetral [Elevado da Perimetral] e o fechamento do Mergulhão [Mergulhão da Praça XV], demonstra a falta de planejamento do governo e de preocupação com a vida cotidiana do cidadão. Gastaram mais de R$ 8 milhões para construir um metrô de Ipanema para Barra da Tijuca, enquanto a Baixada Fluminense sofre com falta de transporte público de qualidade, situação que poderia ser resolvida com metade dessa renda”, criticou.

Quando o assunto foi segurança pública, Lindberg disse que pretende reavaliar os programa de Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) e seu foco será na 'segurança pública para todos'. “Implantaram UPPs em determinadas regiões e houve uma migração desses bandidos para as áreas populares do estado. Na zona sul do Rio, de janeiro a outubro, houve 30 assassinatos, enquanto na zona oeste 438. Não é justo no Leblon ter um policial para cada 150 habitantes, enquanto em São Gonçalo existe um para cada 1.600. Não podemos ter uma política para o cidadão de classe média alta e outra para o cidadão com uma classe inferior”, explicou.

Sobre os próximos passos e as possíveis alianças partidárias, o candidato do PT a governador do RJ disse que em três meses pretende já ter um programa de governo concluído e alianças firmadas. “A gente quer formar uma frente popular, que organize principalmente partidos de esquerda do Rio de Janeiro. Até maio pretendemos ter já uma chapa para vice-governador e senador”, concluiu.

* Do projeto de estágio do Jornal do Brasil

Tags: 2014;, eleições;, Governador, lindberg;, pt;

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.