Jornal do Brasil

Sexta-feira, 19 de Dezembro de 2014

Rio

Corpo de cinegrafista Santiago Andrade é cremado no Rio

Jornal do Brasil

Foi cremado por volta das 12h30 desta quinta-feira, no Cemitério do Caju, o corpo do cinegrafista Santiago Andrade. A cremação foi restrita aos amigos próximos e familiares.

Santiago foi atingido na cabeça por um rojão enquanto cobria protesto contra o aumento das passagens dos ônibus na última quinta-feira. Os órgãos do cinegrafista foram doados. A família informou que esse era o desejo dele.

O velório ocorreu no Memorial do Carmo com a presença de amigos e familiares. O caixão foi coberto com a bandeira do Flamengo, time de coração do cinegrafista. A viúva de Santiago, Arlita Andrade, chegou ao enterro com a camisa do time com uma homenagem nas costas que dizia: "Santiago, sempre te amarei". Vários jornalistas, colegas de trabalho do cinegrafista, também compareceram à cerimônia com uma camisa com os dizeres: "Poderia ter sido um de nós".

A filha de Santiago, Vanessa Andrade, também estava presente. Ela agradeceu a presença de todos os amigos e familiares e disse que pretende cobrar pela segurança de quem trabalha em situações de risco. "Eu não vou deixar o nome do meu pai em vão. Eu vou exigir da Band que dê segurança aos funcionários", disse.

>> Em novo depoimento, Caio de Souza diz que não acendeu rojão

Após uma missa celebrada pelo futuro Cardeal e Arcebispo do Rio, Dom Orani Tempesta, na qual três pombas brancas foram soltas para simbolizar a paz, o corpo de Santiago foi levado para a sala de cremação, onde a família deu início a uma cerimônia fechada.

>> 'Tenho pena deles', diz mulher de cinegrafista sobre suspeitos

>> Advogado revela que Caio ganhava R$ 150 por cada protesto violento

>> Suspeito de ter atirado rojão que matou cinegrafista já está preso em Bangu

>> Caio era tranquilo com vizinhos, mas violento em manifestação

O repórter Alexandre Tortoriello, da mesma emissora de Santiago, relembrou como foi ter que anunciar, ao vivo, a notícia da morte do colega e amigo. "O momento mais difícil que eu tive na minha carreira foi anunciar ao vivo a morte do Santiago. Eu achei que não fosse conseguir, perdi força. Na hora, a voz embargou, quase não saiu, mas é a profissão que a gente escolheu, é o compromisso que a gente assumiu com quem está lá do outro lado” disse. 

Segundo Tortoriello, Santiago pode ser definido como “uma pessoa única, incrível”. “Acho que a gente está aqui para prestar esse testemunho. O mundo ficou pior sem o Santiago’, completou.

Tags: acusado, band, cremação, morte, rojão

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.