Jornal do Brasil

Quinta-feira, 28 de Agosto de 2014

Rio

Advogado: Caio de Souza ganhava R$ 150 em cada manifestação violenta

Jonas Tadeu confirma que jovens são aliciados para participarem dos atos de protesto 

Jornal do Brasil

Jonas Tadeu, advogado de Caio de Souza, suspeito de ter jogado o rojão que matou o cinegrafista da Band Santiago Andrade, na última quinta-feira, e preso esta madrugada em Feira de Santana (BA), revelou que jovens são aliciados por políticos para participarem dos atos de protesto. O advogado disse que Caio, por exemplo, ganhava R$ 150 em cada manifestação.

"Os jovens que participam das manifestações de forma pacífica não recebem nada, mas aqueles que promovem atos violentos são aliciados e ganham por isso", afirmou Tadeu.

O advogado não deu nome aos aliciadores, mas mandou a imprensa fazer uma devassa nos diretórios regionais dos partidos políticos e investigar deputados e vereadores, não só no Rio de Janeiro, mas também em São Paulo e outras capitais.  

>> Caio Silva admite para TV que acendeu rojão

>> Suspeito de acender rojão que matou cinegrafista é preso na Bahia

>> Suspeito não confessou participação na morte de cinegrafista, diz delegado

>> Caio era tranquilo com vizinhos, mas violento em manifestação

"Esses jovens pobres não têm dinheiro para comprar máscaras de gás, capacetes e rojões. Eles recebem tudo isso de graça. São apanhados em casa para promover a desordem", disse Jonas Tadeu.

"Manifestações violentas são engendradas. Existem organismos responsáveis para aliciar estes jovens miseráveis e de baixo discernimento", prossegue o advogado.

"Esta é a conclusão de um trabalho que fiz como advogado e ouvindo alguns jovens. Eu não ouvi nomes. O Caio participava das manifestações porque queria complementar o salário que recebia do hospital onde trabalhava", afirmou.

Jonas Tadeu afirmou ainda que não vai cobrar nada para defender Caio e o outro envolvido Fábio Raposo. 

Tags: acusado, band, cinegrafista, morte, rojão

Compartilhe:

Comentários

2 comentários
  • aNTONIO oLIVEIRA

    Este comentário foi removido.

  • aNTONIO oLIVEIRA

    Este comentário foi removido.

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.