Jornal do Brasil

Sábado, 26 de Julho de 2014

Rio

Polícia identifica homem que lançou rojão que atingiu cinegrafista

Portal Terra

A Polícia Civil do Rio de Janeiro já tem o nome, endereço, idade e perfil do suspeito de acender o artefato explosivo que vitimou o cinegrafista da TV Bandeirantes Santiago Ilídio Andrade, que morreu nesta segunda-feira, três dias depois de ser atingido por um rojão na manifestação contra o aumento da tarifa dos ônibus, no Rio de Janeiro. De acordo com o delegado titular da 17 Delegacia de Polícia (São Cristóvão), Maurício Luciano, todas as informações a seu respeito serão divulgadas tão logo o poder judiciário conceda nas próximas horas o pedido de prisão preventiva, de 30 dias. 

O rosto do suspeito foi reconhecido por Fábio Raposo, 22 anos, detido no último final de semana por ter supostamente passado para este indivíduo o artefato que vitimou fatalmente o repórter-cinematográfico. Ao contrário da primeira versão, Raposo, preso no complexo penitenciário de Gericinó, na zona oeste do Rio de Janeiro, afirmou, de acordo com o relato do delegado, que “eles se encontravam em manifestações e que esse rapaz tem perfil violento”. 

>> Morre cinegrafista atingido por rojão durante protesto no Rio

>> Toda a sociedade perde com a morte de cinegrafista, diz sindicato

>> Abraji lamenta morte de cinegrafista da Band

>> Morte de cinegrafista da Band repercute na imprensa internacional

>> Cinegrafista da Band será sepultado nesta terça-feira

>> Band: morte de Santiago é reflexo da desordem que impera nas cidades

>> 'Esta noite eu passei no hospital me despedindo', diz filha de cinegrafista

>> Profissionais de imprensa fazem ato em homenagem a cinegrafista morto

“Aquele cara que tem função de briga, agressão, de instigar”, afirmou ainda Maurício Luciano. “Não foi um atentado à liberdade, o que se procurou foi atingir as forças policiais que vinham daquele lado. O Santiago ficou na linha de tiro”, completou.

Com a morte de Santiago, o indiciamento tanto deste suspeito, quanto o de Fábio Raposo, passará para homicídio doloso qualificado com uso de artefato explosivo, mais crime de explosão. Se ficar comprovado que eles agiam em bando organizado, ambos podem ser acusados ainda de formação de quadrilha, o que pode elevar a pena máximo para até 40 anos de reclusão. 

Tags: culpados, morte, prisão, repórter, Rio

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.