Jornal do Brasil

Sexta-feira, 28 de Novembro de 2014

Rio

Manifestantes voltam a protestar contra aumento de passagem no Rio

Portal Terra

Um grupo de cerca de 500 pessoas protesta no Centro do Rio de Janeiro nesta segunda-feira contra o aumento da passagem de ônibus na cidade. Os manifestantes fecharam a Avenida Presidente Vargas em protesto contra o aumento de R$ 2,75 para R$3, em vigor desde sábado.  

Eles abordam os ônibus que vêm na direção contrária. Carregando cartazes com dizeres contra a Copa, eles gritavam contra o aumento e a realização do Mundial no Brasil.

Por enquanto, há muitos estudantes na manifestação, e nenhum black bloc. Mais cedo, cerca de 50 fotógrafos, jornalistas e cinegrafistas colocaram as câmeras no chão em frente à igreja da Candelária e fizeram um minuto de silêncio pela morte do cinegrafista Santiago Andrade.

A SuperVia afirma que o Centro de Controle Operacional da concessionária monitora a movimentação no entorno da Central do Brasil. O funcionamento das estações e a circulação dos trens em todos os ramais seguem normais na tarde desta segunda-feira e o policiamento em toda a área da Central foi reforçado nesta tarde pela Secretaria de Segurança Pública, segundo a SuperVia.

No protesto da última quinta-feira, o cinegrafista da TV Bandeirantes Santigo Andrade foi atingido por um rojão durante a cobertura na Central do Brasil. Além dele, outras seis pessoas ficaram feridas na mesma manifestação. 

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, o cinegrafista chegou em coma ao hospital municipal Souza Aguiar. Ele sofreu afundamento do crânio, perdeu parte da orelha esquerda e passou por cirurgia no setor de neurologia. A morte encefálica foi informada pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) no início da tarde desta segunda, após ser diagnosticada pela equipe de neurocirurgia do hospital, onde ficou internado no Centro de Terapia Intensiva desde a noite do dia 6.

Tags: Atos, Estação, protestos, Rio, ruas

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.