Jornal do Brasil

Sexta-feira, 19 de Dezembro de 2014

Rio

Black blocs lamentam morte de cinegrafista atingido por rojão no Rio

Portal Terra

Manifestantes ligados ao movimento Black Bloc no Rio de Janeiro lamentaram, através da página do grupo no Facebook, a morte do cinegrafista Santiago Ilídio Andrade, atingido na cabeça por um rojão durante a cobertura de um protesto contra o aumento do preço do ônibus, no Centro do Rio de Janeiro, na última quinta-feira (6).

“Estamos muito chateados com a notícia sobre a morte de Santiago, lamentamos demais e desejamos toda força à família, é uma perda muito difícil”, diz a mensagem publicada pelo grupo. 

Santiago teve morte cerebral nesta segunda-feira. A morte encefálica foi informada pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) no início da tarde e diagnosticada pela equipe de neurocirurgia do Hospital Municipal Souza Aguiar, onde ele estava internado no Centro de Terapia Intensiva desde a noite de quinta-feira.

Apesar de lamentar a morte do cinegrafista, o movimento criticou a atuação da Polícia Militar durante os protestos, e também a cobertura das manifestações feita pela imprensa. “Não vamos esquecer também do senhor que foi atropelado e morreu no mesmo dia (devido à violência da PM) e a televisão sequer citou! Realmente, infelizmente, é muito triste e difícil esse momento em que estamos lutando por um País melhor e acontece uma infelicidade dessa. Fica claro a diferença entre PM e manifestante! Nunca aconteceu tanta investigação por um caso como o do cinegrafista, pessoas morrem na mão dos imundos e não são noticiados e os causadores não são caçados”, diz a mensagem.

Em outra mensagem, o movimento afirma que o tatuador Fábio Raposo - que confessou à polícia ter participado da explosão do rojão que atingiu o cinegrafista - não disse ser um adepto da tática de manifestação black bloc. “Não somos um grupo. Black bloc é tática, mas cada um tem o seu próprio jeito de agir”, afirma o movimento. 

Fábio foi preso na manhã de domingo em cumprimento a um mandado de prisão temporária expedido pela Justiça. O delegado Maurício Luciano, titular da 17ª Delegacia de Polícia (São Cristóvão) e responsável pelas investigações, disse que Fábio já foi indiciado por tentativa de homicídio qualificado e crime de explosão e que a pena pode chegar a 35 anos de reclusão caso o cinegrafista não resistisse aos ferimentos. 

Santiago Andrade teve afundamento do crânio, perdeu parte da orelha esquerda e foi submetido a uma cirurgia logo após ser levado para o Hospital Souza Aguiar, onde estava em coma induzido até ser constatada sua morte.

Tags: Centro, cinegrafista, grupo, morte, Rio

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.