Jornal do Brasil

Sexta-feira, 1 de Agosto de 2014

Rio

Jornalista ferido em protesto continua internado em estado grave

Agência Brasil

Permanece em estado grave o cinegrafista Santiago Idílio Andrade, da TV Bandeirantes, que foi atingido nesta quinta-feira (6) por explosivo, durante protesto no centro do Rio de Janeiro. O jornalista chegou em coma ao Hospital Municipal Souza Aguiar, passou por uma cirurgia nesta madrugada e está no centro de terapia intensiva.

De acordo com informações publicadas nas redes sociais do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro, a autoria do ataque não foi confirmada. “Mas se sabe que o profissional não tinha equipamentos de segurança que a empresa deveria garantir, como capacete”.

Cinegrafista da Band ficou gravemente ferido após explosão de artefato
Cinegrafista da Band ficou gravemente ferido após explosão de artefato

Na noite de ontem, dirigentes do sindicato estiveram no hospital Souza Aguiar, acompanhando o caso. A informação é que ele foi atingido no ouvido e nuca e chegou à unidade com afundamento de crânio. Além de Andrade, mais seis pessoas foram levadas para o hospital depois do protesto contra o aumento da passagem de ônibus de R$ 2,75 para R$ 3.

>> Sindicato dos Jornalistas culpa Estado pela agressão a cinegrafista no Rio

>> Associação de jornalistas repudia agressão a cinegrafista da Band

>> Manifestação contra reajuste de ônibus acaba em confronto, no Rio

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) emitiu nota ontem repudiando o ataque e confirmou que este é o terceiro jornalista ferido em manifestações em 2014. Em São Paulo, o repórter Sebastião Moreira, da Agência EFE, foi agredido por policiais militares e o freelancer Paulo Alexandre sofreu agressões de guardas civis, em janeiro.

Em nota publicada na internet, o Grupo Bandeirantes de Comunicação disse que acompanha a evolução do quadro do jornalista, com parentes dele no hospital, e que registrou o caso na 5º Delegacia de Polícia.

Este é o segundo caso de repórter cinematográfico da Band atingido durante conflitos, no Rio. Em 2011, Gelson Domingos morreu vítima de um tiro de fuzil. À época, o sindicato dos jornalistas responsabilizou a emissora por não fornecer equipamentos de segurança aos seus profissionais.

Tags: artefato, bandeirantes, cinegrafista, onibus, protesto, Rio

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.