Jornal do Brasil

Sábado, 30 de Agosto de 2014

Rio

Artefato que feriu cinegrafista foi lançado por manifestantes, diz polícia

Jornal do Brasil

Em entrevista coletiva, na chefia de Polícia Civil, o delegado Maurício Luciano, da 17ª DP (São Cristóvão), disse ter convicção de que o artefato que atingiu o cinegrafista da TV Bandeirantes Santiago Andrade, na noite desta quinta-feira, no Centro do Rio, não foi jogado pela Polícia, mas sim por manifestantes. 

O policial acredita que imagens das câmeras da Prefeitura, do Exército, da SuperVia e do próprio cinegrafista podem ajudar a identificar o autor do crime. 

Já o técnico do Esquadrão Anti-bombas da Core, Elington Cacella, explicou que o artefato que feriu Santiago tem o nome de rojão de vara ou rojão treme-treme e tem 60 gramas de explosivo. Este tipo de artefato, segundo ele, é vendido nas casas de fogos e apreendido com frequência nas manifestações.

Cinegrafista da Band ficou gravemente ferido após explosão de artefato
Cinegrafista da Band ficou gravemente ferido após explosão de artefato

As investigações sobre o artefato explosivo que atingiu o cinegrafista Santiago Andrade seguem duas linhas periciais, além dos depoimentos das testemunhas, disse o chefe de Polícia Civil, Fernando Veloso. Santiago está internado, em estado grave, no Hospital Souza Aguiar, aonde chegou com afundamento de crânio e passou por uma cirurgia durante a madrugada.

Os peritos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) receberão todas as imagens coletadas pela polícia, inclusive as feitas por emissoras de televisão, para tentar elaborar um desenho em que conste o local exato onde estava o cinegrafista e a possível trajetória que o artefato fez antes de atingi-lo.

Centenas de pessoas participaram ontem de mais uma manifestação contra o reajuste nas tarifas de ônibus no Rio de Janeiro, que passarão de R$ 2,75 para R$ 3 neste sábado (9). Os manifestantes entraram no prédio da Central do Brasil no início da noite e houve confronto com a polícia no terminal de trens e nos arredores.

Na noite de ontem, dirigentes do sindicato estiveram no hospital Souza Aguiar, acompanhando o caso. A informação é que ele foi atingido no ouvido e nuca e chegou à unidade com afundamento de crânio. Além de Andrade, mais seis pessoas foram levadas para o hospital depois do protesto contra o aumento da passagem de ônibus.

>> Jornalista ferido em protesto continua internado em estado grave

>>Peritos vão analisar imagens de TV e roupas do cinegrafista ferido no Rio

>> Sindicato dos Jornalistas culpa Estado pela agressão a cinegrafista no Rio

>> Associação de jornalistas repudia agressão a cinegrafista da Band

>> Manifestação contra reajuste de ônibus acaba em confronto, no Rio

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) emitiu nota ontem repudiando o ataque e confirmou que este é o terceiro jornalista ferido em manifestações em 2014. Em São Paulo, o repórter Sebastião Moreira, da Agência EFE, foi agredido por policiais militares e o freelancer Paulo Alexandre sofreu agressões de guardas civis, em janeiro.

Em nota publicada na internet, o Grupo Bandeirantes de Comunicação disse que acompanha a evolução do quadro do jornalista, com parentes dele no hospital, e que registrou o caso na 5º Delegacia de Polícia.

Este é o segundo caso de repórter cinematográfico da Band atingido durante conflitos, no Rio. Em 2011, Gelson Domingos morreu vítima de um tiro de fuzil. À época, o sindicato dos jornalistas responsabilizou a emissora por não fornecer equipamentos de segurança aos seus profissionais.

Tags: Atos, protestos, Rio, ruas, tarifas

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.