Jornal do Brasil

Sexta-feira, 22 de Agosto de 2014

Rio

Justiça do Rio faz segunda audiência sobre desabamento do Edifício Liberdade

Agência Brasil

Pouco mais de dois anos após a tragédia provocada pelo desabamento do Edifício Liberdade, no centro do Rio, que provocou a queda de mais dois edifícios menores e a morte de 17 pessoas, no dia 25 de janeiro de 2012, a Justiça fez hoje (30) a segunda audiência do caso.

Foram convocados para prestar depoimento sete testemunhas de defesa, três corréus e dois réus, ligados à empresa T.O. Tecnologia Organizacional, que funcionava no prédio e estava reformando um dos andares que ocupava. A audiência foi presidida pelo juiz da 31ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça, Roberto Câmara Lacê Brandão.

Uma das testemunhas arroladas pela defesa foi o engenheiro Bruno Contarini, que considerou não haver evidências de que a retirada das paredes do 9º andar tenha provocado a queda do edifício, segundo sustenta a acusação.

Contarini disse que a queda de uma edificação nunca se dá por um único fator, mas pela soma de várias causas. Segundo ele, a construção da linha de metrô que passa sob a Avenida 13 de Maio, ainda na década de 70, teria provocado uma inclinação no prédio. Além disso, segundo o engenheiro, a construção posterior de mais cinco andares teria gerado acréscimo de carga sobre um dos pilares, que acabou ruindo.

Além dos mortos, a queda do Liberdade deixou cinco desaparecidos em meio ao monte de escombros formado com o desabamento. Somente em outubro do ano passado, foi feita a primeira audiência do processo penal que define as responsabilidades sobre a tragédia.

Tags: Centro, Desaba, prédio, Rio, Tragédia

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.