Jornal do Brasil

Domingo, 22 de Abril de 2018 Fundado em 1891

Rio

Justiça do Rio faz segunda audiência sobre desabamento do Edifício Liberdade

Jornal do Brasil

Pouco mais de dois anos após a tragédia provocada pelo desabamento do Edifício Liberdade, no centro do Rio, que provocou a queda de mais dois edifícios menores e a morte de 17 pessoas, no dia 25 de janeiro de 2012, a Justiça fez hoje (30) a segunda audiência do caso.

Foram convocados para prestar depoimento sete testemunhas de defesa, três corréus e dois réus, ligados à empresa T.O. Tecnologia Organizacional, que funcionava no prédio e estava reformando um dos andares que ocupava. A audiência foi presidida pelo juiz da 31ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça, Roberto Câmara Lacê Brandão.

Uma das testemunhas arroladas pela defesa foi o engenheiro Bruno Contarini, que considerou não haver evidências de que a retirada das paredes do 9º andar tenha provocado a queda do edifício, segundo sustenta a acusação.

Contarini disse que a queda de uma edificação nunca se dá por um único fator, mas pela soma de várias causas. Segundo ele, a construção da linha de metrô que passa sob a Avenida 13 de Maio, ainda na década de 70, teria provocado uma inclinação no prédio. Além disso, segundo o engenheiro, a construção posterior de mais cinco andares teria gerado acréscimo de carga sobre um dos pilares, que acabou ruindo.

Além dos mortos, a queda do Liberdade deixou cinco desaparecidos em meio ao monte de escombros formado com o desabamento. Somente em outubro do ano passado, foi feita a primeira audiência do processo penal que define as responsabilidades sobre a tragédia.

Agência Brasil


Tags: Centro, Desaba, Rio, Tragédia, prédio

Compartilhe: