Jornal do Brasil

Sábado, 25 de Outubro de 2014

Rio

Flagrante do 'JB' comprova aumento da criminalidade no Rio

Jovem foi detido no Leblon após furtar cordão

Jornal do Brasil

Um flagrante registrado pelo fotógrafo Douglas Shineidr do Jornal do Brasil, às 14h30 desta quinta-feira (23), mostra um jovem sendo detido por policiais após roubar um cordão no Leblon. O crime reforça os últimos dados sobre a segurança na cidade e os relatos de moradores da Zona Sul, que se queixam do aumento no número de roubos.

Arrastões registrados nas praias já chamaram a atenção das autoridades e até da imprensa internacional. Como se não bastasse, arrombamentos de apartamentos e roubos a pedestres e motoristas estão se tornando uma rotina que assusta cariocas e turistas. Moradores do Leblon, frequentadores da praia e vendedores de quiosques denunciam que o aumento do número de roubos na orla tem sido alarmante.

Os últimos números do Instituto de Segurança Pública (ISP) também comprovam estatisticamente o aumento dos índices de criminalidade, em especial os roubos e furtos. Na comparação com os meses de setembro de 2012 e do ano passado, foi registrada alta nas duas categorias, em todos os bairros da Zona Sul. Na região que inclui Leblon e Ipanema, além de bairros como Gávea, Jardim Botânico e Lagoa, foram 367 ocorrências de furtos, e 117 de roubos, em setembro de 2012. No mesmo mês do ano passado, os números foram respectivamente 481 e 161. Um aumento de 31% nos furtos, e de 37% nos roubos.

A presidente da Associação de Moradores e Amigos do Leblon (AMALeblon), Evelyn Rosenzweig, confirma o recente quadro turbulento do  bairro. Segundo a moradora, os índices de criminalidade atingiram níveis elevados, e crimes que jamais ocorreram na região passaram a ser rotina, como roubo frequente de motos e bicicletas. A moradora se diz “impotente” e reclama da visível diminuição de contingente policial.

“A situação está caótica. Infelizmente, eu me sinto muito impotente porque recebo sempre essas informações, as pessoas registram [na Delegacia], algumas vezes são tentativas [de assalto], então a pessoa não registra. A questão é que o índice é bárbaro. São furtos de bicicletas e motos, coisa que nunca tivemos na vida. Sempre repassamos para o Batalhão, mas fazem o que? A PM [Polícia Militar] tem uma enorme falta de efetivo, existe um déficit de efetivo muito grande e essa é a realidade que a gente tem aqui”, lamenta Evelyn.

Na região que abrange Glória, Catete, Laranjeiras, Flamengo, Cosme Velho, Humaitá, Botafogo e Urca, área onde os roubos e furtos já têm se tornado rotineiros no cotidiano dos moradores, a situação não se mostra diferente. Foram 592 ocorrências de furtos, e 298 de roubos, em setembro de 2013, enquanto no mesmo mês de 2012, os números foram de 497 e 118, respectivamente.

No Leme e em Copacabana, a alta também é evidente: o ISP registrou 108 roubos e 539 furtos em setembro de 2013, enquanto os casos de roubos do mesmo período de 2012 somaram 83 ocorrências, e os furtos, 411. O mês de janeiro de 2013, período de intenso recebimento de turistas, especialmente no bairro de Copacabana, os furtos atingiram incríveis 1.383 casos, aumento de 236,5%.

Moradores de toda a região já reclamam há meses dos problemas de segurança nos bairros da Zona Sul da cidade. Na altura do Posto 11, os residentes, banhistas e vendedores de quiosques afirmam que o local se tornou problemático em questões de violência, principalmente em relação a assaltos e furtos. A presidente da AMA-Leblon alerta que os transtornos já são uma representação do bairro, mas que a crise no setor de segurança é uma realidade de todo estado do Rio de Janeiro, da Zona Sul à Baixada Fluminense.

“É um retrato do bairro. Mas isso não acontece só no Leblon, mas em todo o estado do Rio de Janeiro, que está com problema sério de segurança pública. O problema é que o Leblon chama atenção pela concentração de renda maior, assim como Ipanema, onde está concentrado o dinheiro, e também por conta da facilidade mesmo”, e ainda acrescenta: “A Polícia tem que ser ostensiva, não existe milagre. São vários assaltos. Recentemente, uma moradora estava saindo de casa para pegar táxi e foi assaltada. É um problema assustador”, revolta-se a moradora.

Procurada pela matéria do 'JB', que questionou informações sobre o furto registrado no flagrante e se ações ostensivas de segurança estão previstas para conter o avanço da criminalidade na orla, a Polícia Militar não retornou o contato até o fechamento desta matéria.

Tags: crime, detido, orla, Rio, Sul, Zona

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.