Jornal do Brasil

Terça-feira, 25 de Novembro de 2014

Rio

Dom Orani vai ao Cacique de Ramos e abençoa imagem de São Sebastião

Cardeal vai a berço do samba como parte da Trezena de São Sebastião

Jornal do BrasilGabriella Azevedo*

A Trezena de São Sebastião, organizada pela Arquidiocese do Rio de Janeiro e liderada pelo arcebispo Dom Orani João Tempesta, chegou ao Cacique de Ramos na tarde deste domingo (19). O futuro cardeal abençoou e doou uma imagem de São Sebastião ao tradicional bloco da Zona Norte carioca, que completa 53 anos de existência na segunda-feira (20), dia do santo padroeiro da agremiação e da cidade do Rio. O evento contou com os sucessos do padre e cantor Omar Raposo, acompanhado pelo Grupo Voz Ativa. Dom Orani e o presidente do Cacique de Ramos, Bira, fizeram discursos emocionados sobre fé cristã e a importância cultural do samba.

A chegada do futuro cardeal foi marcada por euforia e palmas por parte dos vários fiéis que aguardavam a homenagem a São Sebastião. Acompanhado de sacerdotes, Dom Orani cumprimentou com simpatia os frequentados da quadra do Cacique de Ramos. Durante a bênção, o arcebispo falou de São Sebastião como um “santo exemplo de vida”, contando a sua jornada como homem santo e mártir, morto por flechadas. Dom Orani também comentou sobre a importância de manter viva a fé cristã e que a presença de Deus deve ser sentida no cotidiano, nas atividades mais simples do dia a dia.

“Essa bênção serve para nos recordar, nos relembrar, do amor de nosso Senhor. A fé das pessoas representa, para nós, exemplo de vida cristã. A presença de Deus está em tudo que se faz: quando se estuda, quando se diverte, quando se trabalha”, declarou aos fiéis presentes na comemoração.

Seu discurso teve a colaboração da chefe da Polícia Civil, a delegada Martha Rocha, que compareceu ao evento e é devota de São Sebastião, além de amiga pessoal do presidente do Cacique de Ramos. A delegada, nascida na Penha, também na Zona Norte da cidade, aproveitou a fé no santo padroeiro para visitar o lugar onde nasceu e aceitou o convite do Bira Presidente para frequentar a quadra do bloco.

“Eu procuro acompanhar peregrinações, vou todos os anos à procissão, então, na verdade, eu aproveitei, já que a quadra está tão pertinho do lugar onde eu nasci, que é a Penha, e eu sou grande devota de São Sebastião, para vir aqui assistir essa comemoração e depois almoçar. Foi uma alegria muito grande. Sou amiga do Bira, o conheço há muito tempo, volta e meia ele me convida, e hoje eu resolvi unir a fé em São Sebastião com a grande amizade que tenho com ele”, comemora Martha Rocha.

A típica feijoada do Cacique de Ramos foi servida na quadra e Dom Orani almoçou ao lado dos sacerdotes que o acompanhavam. Questionado sobre seu título de “cardeal do povo”, Dom Orani se disse lisonjeado pelo título simbólico, que confere muita responsabilidade. “Quanto maior a expectativa, mais você tem que corresponder. É uma grande responsabilidade, mas espero que eu possa corresponder ao povo e ao Papa [Francisco]”, disse o arcebispo, que “nunca imaginou que fosse ser cardeal” quando optou pela vida religiosa. 

O presidente do tradicional bloco, Bira Presidente, falou com orgulho e emoção sobre a bênção do arcebispo do Rio e reconhecimento da importância do samba no contexto histórico e cultural da cidade. “Nós [do Cacique de Ramos] somos católicos, e a vinda do Dom Orani representa muito, não só para o Cacique, mas também para todos os sambistas brasileiros, todas as escolas de samba, todos os blocos e entidades de modo geral que se sustentam do samba. Isso para mim é muito importante: o Cacique ser representativo para toda a parte cultural do samba. Fico muito feliz com o evento”, vibra. A diretoria da agremiação ainda prestou homenagem ao futurocardeal, e entregou presentes a Dom Orani. 

O futuro cardeal, que já tinha visitado bairros como Engenho Novo, Olaria e Parada de Lucas, também comentou sobre a aproximação da Igreja Católica com o mundo do samba, representada na visita deste domingo. Ritmo discriminado por décadas, o samba recebe, nesta tarde, uma grande recompensa. “Cada povo tem seu ritmo, sua beleza. Aqui no Rio, as pessoas têm esse jeito de ser. Exaltamos tudo que transmita o que constrói paz, fraternidade”, explica Dom Orani, que seguiu para as Capelas de São Sebastião dos bairros da Freguesia e da Taquara, e para a Paróquia de São Sebastião em Vargem Grande.

A catequista Solange Brasil, de 67 anos, uniu a sua fé ao samba e foi ao evento religioso para comemorar os 53 anos do Cacique de Ramos, além de encontrar com Dom Orani. Solange comemorou a sua nomeação a cardeal por parte do Papa Francisco e disse que o título representa o reconhecimento do trabalho que vem exercendo ao longo dos ano na Igreja Católica. "Para mim, representa a consagração do trabalho dele, sempre com muita fidelidade à Igreja, às pessoas e ao Brasil", elogia.

Visitas do cardeal continuam nesta segunda (21)

No dia de comemoração de São Sebastião, será realizada uma corrida de São Sebastião, no Aterro do Flamengo, Zona Sul da cidade, às 7h da manhã. Dom Orani comparece ao evento, onde faz uma bênção junto aos competidores da corrida. Às 10h, o cardeal segue para a Tijuca, Zona Norte, onde realiza missa na Igreja de São Sebastião dos Capuchinhos. Lá, estarão os restos mortais de Zélia e Jerônimo, primeiro casal brasileiro que está postulando à beatificação.

Desde o dia 07 de janeiro, Dom Orani percorre locais em preparação à comemoração do dia de São Sebastião. Durante os 13 dias da Trezena de São Sebastião, o cardeal abençoa os locais em que visita, conversa com fiéis, comenta a importância da fé cristã e conta a trajetória do padroeiro da cidade do Rio de Janeiro.

Tags: Cacique, cardeal, fé, orani, Ramos, Rio, RJ, são, sebastião

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.