Jornal do Brasil

Sexta-feira, 1 de Agosto de 2014

Rio

Crea: vão de mezanino por onde caiu criança está 8 cm acima do permitido

Agência Brasil

O vão no mezanino entre a escada rolante e o guarda-corpo de onde caiu a menina argentina Camila Palacios, de 3 anos, no último sábado (4), no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro/Galeão - Antônio Carlos Jobim, está 8 centímetros (cm) além do permitido. A afirmação é do presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-RJ) da entidade, Agostinho Guerreiro, para quem o vão está fora das especificações da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

Segundo o dirigente, o Crea está preparando um relatório sobre o que foi apurado pela instituição. “O que eu posso antecipar é que existem as normas da ABNT e estes vãos que têm nas escadas e em lugares de passagem de público, como varandas, a recomendação é no máximo 11 cm, o que não é o caso de lá. Os indicativos apontam até agora um vão superior ao limite permitido, e o que está sendo mencionado é 19 cm, então para uma criança é um vão muito largo e perigoso", explicou Agostinho.

Se for confirmado que a norma da ABNT não foi atendida, o Crea-RJ deverá chamar as pessoas envolvidas para prestar esclarecimentos e identificar as falhas. Segundo Agostinho, o Crea não pode tratar de problemas de obra, mas tem a tarefa de fazer a fiscalização do exercício profissional.

"O que nós podemos fazer é chamar a empresa e, eventualmente, o profissional que tenha feito, porque realmente existem normas para proteção de qualquer tipo de construção, sobretudo onde tem trânsito de pessoas", disse o presidente do Crea.

Também hoje, o Procon-RJ também fez uma fiscalização no aeroporto para verificar as condições de segurança do Galeão e constatou algumas irregularidades. O balanço da operação, divulgado pelo órgão, aponta mais cinco falhas além do vão excessivo entre escada rolante e o guarda-corpo.

Segundo o Procon-RJ, quatro elevadores e três bebedouros não funcionam, o banheiro para deficientes estava trancado, a canaleta de alumínio da esteira estava solta, causando risco aos usuários, e o ar-condicionado não funciona em dois setores do Terminal 1, na área de embarque.

Sobre a vistoria do Crea, a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) informou, em nota, que na década de 1990, quando o Terminal 2 do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro foi construído, foram seguidas todas as normas vigentes à época relacionadas a projetos e construções, e que aguarda a finalização dos laudos técnicos para fazer as adequações que forem necessárias.

Tags: aeroporto, Conselho, engenharia, regional, vistoria

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.