Jornal do Brasil

Quarta-feira, 26 de Novembro de 2014

Rio

Comércio da Mangueira amanhece parcialmente fechado após protestos

Agência Brasil

O Morro da Mangueira, na Zona Norte do Rio de Janeiro, amanheceu nesta segunda-feira (6) com o comércio parcialmente fechado, no dia seguinte às manifestações de moradores contra a violência policial, na noite de ontem. A reação começou depois que um jovem da comunidade foi baleado por policiais militares durante ação dos agentes da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP).

No protesto, os moradores queimaram um ônibus e interditaram por algumas horas a Rua Visconde de Niterói, que passa em frente à favela. Além de ter o comércio afetado, a Mangueira amanheceu com o policiamento reforçado por policiais de outras UPPs e do Batalhão de Policiamento de Choque da PM.

>> Jovem baleado em tiroteio na Mangueira morre em hospital no Rio

Os manifestantes dizem que os policiais agem com violência durante as operações na favela. "Eles entram aqui com a maior truculência e humilham os moradores. Estamos cansados de sermos tratados assim", disse uma moradora que não quis se identificar.

Welington Sabino Vieira, de 20 anos, foi baleado em um tiroteio entre policiais e criminosos no último sábado (4) na comunidade da Mangueira, na zona norte da cidade, segundo a assessoria de imprensa da UPP. Ele morreu ontem (5) no Hospital Municipal Souza Aguiar, na região central da cidade.

De acordo com a polícia, no início da noite do último sábado, uma equipe da UPP da Mangueira estava em patrulhamento na localidade conhecida como Olaria quando criminosos viram os policiais e atiraram.

Welington levou dois tiros e chegou a ser encaminhado para o hospital. Um policial também foi ferido no quadril e socorrido no Hospital Central da Polícia Militar (HCPM). A polícia informou que Welington estava com uma pistola e um carregador.

Outro morador que não quis se identificar disse que o rapaz não era criminoso. "Ele era trabalhador, nós o conhecíamos. Em vez de chegarem aqui e matarem pessoas trabalhadoras, eles deveriam cuidar da luz, do esgoto e da água, que já estão em falta faz alguns dias", disse.

Abalada, a mãe de Wellington, que tem mais dois filhos e não quis revelar seu nome, disse que o rapaz não era criminoso e que trabalhava como camelô. "Ele era quieto, calado, não fazia mal para ninguém. Eu vi o meu filho sendo atingido e sendo levado pelos policiais para o hospital. O sentimento agora é de muita tristeza", disse.

Tags: favela, moradores, morte, reação, Rio

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.