Jornal do Brasil

Quinta-feira, 17 de Abril de 2014

Rio

Procissão homenageia Iemanjá nas ruas do Rio de Janeiro

Agência Brasil

A Congregação Espírita Umbandista do Brasil promoveu na tarde de hoje (28) uma procissão motorizada pelas ruas do centro e da zona sul do Rio de Janeiro para celebrar a passagem do ano e homenagear Iemanjá.

A procissão, segundo os organizadores do evento, adotado pela prefeitura da cidade, culminou com a entrega à rainha do mar do 9º Barco a Iemanjá , uma cópia de embarcação, de 5 metros, com oferendas à rainha do mar.

Como já vem se tornando tradição na cidade, a procissão motorizada teve início na Rua Sampaio Ferraz, no Estácio, zona norte da cidade. O destino final foi a Praia de Copacabana.

A procissão cruzou seis bairros da cidade: Estácio (de onde a procissão motorizada saiu), Lapa, Glória, Catete, Flamengo e Botafogo. Das janelas as pessoas acenavam e saudavam a passagem da rainha do mar – um dos muitos nomes pelo qual o orixá é conhecido.

O cortejo - durante todo o percurso acompanhado por batedores da Polícia Militar, da Guarda Municipal e da Cet-Rio, além de um grupo de motoqueiros conhecidos como Cavaleiros da Arte Real -  chegou a Copacabana às 17 horas onde vários fiéis já o aguardavam. 

A imagem seguiu durante todo o percurso em uma carreta apoiada em caminhonete do Corpo de Bombeiros. A procissão era precedida por carros e ônibus que levavam os fiéis. Entoando cânticos religiosos, dançando e com palavras de saudação à deusa do mar, mesmo sob sol forte e muito calor, centenas de fiéis se misturaram, ao chegar à praia, aos banhistas e turistas. Eles sairam em procissão a pé por pequeno trecho entre os postos 4 e 3 da Avenida Atlântica.

No Posto 3, na intercessão da Rua Paula Freitas com a Avenida Atlântica, foram montadas duas tendas e uma grande mesa, sobre a qual foram colocados cestos com frutas, palmas e bijuterias, como brincos, colares e pulseiras. Tudo foi ofertado a Iemanjá – nome dado na umbanda à imagem de Nossa Senhora da Glória.

Orixá feminino mais popular do Brasil, e um dos mais reverenciados, Iemanjá é mãe de vários orixás, e também conhecida como Janaína, Inaê, e Princesa de Aioká (como os negros bantos chamavam o fundo do mar). Formosa e vaidosa, atribui-se à deusa de cabelos longos e perfumados o gosto e o prazer de receber flores, água de cheiro, pente e espelho. 

Na avaliação da presidente da Congregação Espírita Umbandista do Brasil, Fátima Damas, a procissão teve como objetivo “resgatar uma tradição de mais de 80 anos, quando todos os terreiros de umbanda se concentravam nas areias de Copacabana”.

Com o crescimento da queima de fogos no réveillon da cidade os seguidores da umbanda tiveram, segundo Damas, de procurar outras praias para realizar seus cultos, daí a antecipação da homenagem, explicou Damas à Agência Brasil

“Antecipando a virada do ano, no dia 29, vamos para a praia para agradecer o ano que termina e, com o coração cheio de esperança e de amor, aproveitar para pedir a Iemanjá – a mãe de todos, a senhora das águas – graças para o ano que está começando”. 

Tags: com, crescimento, da, de, fogos, no, o, Queima, reveillon

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.