Jornal do Brasil

Quarta-feira, 16 de Abril de 2014

Rio

PRE/RJ processa Pezão pela sétima vez por campanha antecipada

Jornal do Brasil

A Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) do Rio de Janeiro propôs ação contra o vice-governador Luiz Fernando Pezão, o prefeito de Magé, Nestor Vidal, e o deputado estadual Rosenverg Reis - os três do PMDB - por propaganda eleitoral antecipada no lançamento das obras do programa Bairro Novo, em Magé, em 11 de setembro.

Baseada num vídeo feito pela equipe de fiscalização da Justiça Eleitoral, a PRE pede que o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) multe os políticos em até R$ 25 mil. A representação é a sétima contra Pezão por antecipação de campanha.

Na ação, o procurador regional eleitoral Maurício da Rocha Ribeiro relata que os discursos dos três políticos, para um público estimado em mil pessoas, serviram a uma futura candidatura de Pezão a governador. Ao comentar o asfaltamento de ruas em Praia do Mauá que começaria no dia seguinte, o vice-governador se referiu à obra como uma realização pessoal ("Então é um prazer estar aqui transferindo essa obra pra você. Tome conta. Eu tô pedindo") e se prontificou a fazer mais ("Nós vamos fazer mais. Vamos lá pra Piabetá, fazer em Piabetá também").

O prefeito de Magé e o deputado estadual também discursaram enaltecendo as qualidades de Pezão, citado como "padrinho" da gestão de Vidal "desde o primeiro momento". Já o deputado Rosenverg Reis apresentou o político como governador: 

Com base na jurisprudência da Justiça Eleitoral, a PRE/RJ avalia que, mesmo sem pedido explícito de votos, condutas como as de Pezão, Vidal e Reis caracterizam propaganda eleitoral antecipada. A infração ficaria evidenciada pela intenção clara de conquistar o eleitorado para as eleições em 2014.

"O flagrante desrespeito às normas eleitorais ganha mais relevo quando se verifica que Pezão utiliza-se, reiteradamente, do programa de governo Bairro Novo para se aproximar da população para propagar a sua futura candidatura", declara o procurador regional eleitoral Maurício da Rocha Ribeiro, que anexou aos autos documentos que comprovam o uso eleitoral da atividade de governo. "Há atos potencialmente danosos à igualdade na competição eleitoral mesmo quando divulgados mais de um ano antes das eleições".

Tags: ação, eleitoral, procurador, regional, vice

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.