Jornal do Brasil

Sexta-feira, 18 de Abril de 2014

Rio

Obras de Eduardo Paes dão um presente antecipado de Natal para os cariocas

Avenida Brasil e Baixada Fluminense foram as regiões mais atingidas pela chuva

Jornal do BrasilAmanda Rocha*

O Rio de Janeiro amanheceu embaixo d’água na manhã dessa quarta-feira. Até o último boletim de notícias do Centro de Operações Rio, a Defesa Civil havia recebido 213 ocorrências. A Via Binário, inaugurada há menos de dois meses, ficou totalmente alagada na altura da Cidade do Samba. O prefeito do Rio, Eduardo Paes, chegou a afirmar que os problemas na via continuarão até 2016 porque o sistema de drenagem no local não está concluído. As chuvas fortes, já no começo da madrugada, atingiram principalmente a zona norte da cidade e a Baixada Fluminense.

Os batalhões do corpo de bombeiros da cidade receberam muito mais chamadas do que o normal. A maioria das ocorrências foram por conta de alagamentos e o 24º GBM de Irajá chegou a atender um caso com vítima fatal. Os desabamentos também foram recorrentes. Na Penha, os bombeiros foram acionados ainda de madrugada por causa da queda de um muro na rua Irapuã. O Sistema de Alerta e Alarme Comunitário da Prefeitura do Rio também foi acionado e as sirenes de 49 comunidades foram disparadas a partir das 4h55.

O especialista em gerenciamento de risco Gustavo Cunha Mello explica que o sistema de sirenes é um bom começo, mas não passa de uma medida paliativa. “Em momentos de crise, os bombeiros não têm efetivo para chegar às regiões, principalmente quando é preciso atender a cidade inteira. Para evitar o caos, é preciso criar núcleos de defesa civil nas comunidades, para que cada uma tenha o seu. Moradores precisam aprender primeiros socorros, tem que ter pluviômetros e trabalhar com treinamentos ordenados para saber o que fazer nesses momentos. De mais de 300 áreas de risco, poucas tem sirenes, e elas são medidas paliativas”, conta.

As bacias da Baía de Guanabara e Jacarepaguá foram colocadas em estágio de atenção por conta das chuvas. Esse é o segundo nível em uma escala de quatro, e significa previsão de chuvas moderadas e fortes nas próximas horas. O temporal dessa madrugada correspondeu à media prevista para todo o mês de dezembro e deve continuar até sexta-feira.

Uma das principais vias da cidade, a Avenida Brasil, chegou a ser interditada em seus dois sentidos por conta das chuvas. A Via Dutra também ficou fechada em diversos pontos de alagamentos. Eduardo Paes sugere que as pessoas não saiam de casa, para evitar acidentes. Gustavo Cunha também aconselha que todos permaneçam em casa. “Infelizmente, a solução do prefeito, agora, é a melhor opção. A população deve permanecer em casa. Nas ruas, há risco de o vento derrubar os fios de alta tensão e alguém ser eletrocutado. Além disso, as águas estão em contato com o esgoto, que traz urina de ratos. Se a pessoa estiver com uma ferida no pé, pode pegar leptospirose”, diz.

Apesar de concordar com o conselho do prefeito, Gustavo acredita que medidas em longo prazo devem ser tomadas para diminuir os danos causados por tempestades. “Obras para muros de contenção em áreas de risco e limpeza e drenagem dos rios são extremamente necessários para acabar com esse tipo de problema. Terminar as obras do mergulhão da Praça da Bandeira, além de expandir esses mergulhões para outras áreas da cidade também são medidas que ajudam, já que o mergulhão concentra a água para que bombas drenem. Outra coisa muito importante é que as pessoas precisam aprender a não jogar lixo nos rios porque ele é o mesmo que vai encher depois”, explica.

Gustavo conta ainda que para conter os danos causados à cidade, a Prefeitura precisa criar uma lista de prioridades em que essas obras estejam no topo da lista. Segundo ele, há muito dinheiro sendo gasto em outros projetos. O Porto Maravilha, por exemplo, custará quase R$ 8 bilhões. “Com esse orçamento seria fácil corrigir 100% dos problemas nas áreas de risco. O problema que a cidade enfrenta é crônico, acontece desde 2010. A culpa da Prefeitura existe a partir do momento em que não prioriza obras para conter esses danos. Estamos chegando em 2014 e nada mudou. O orçamento da GeoRio é pequeno se comparado ao desafio que ela enfrenta”, conta. 

*Do programa de estágio do Jornal do Brasil

Tags: alagamento, chuva, cidade, desastre, Rio

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.