Jornal do Brasil

Domingo, 20 de Abril de 2014

Rio

Mais de duas mil famílias deixaram suas casas por causa da chuva no RJ 

Jornal do Brasil

A chuva que atingiu o estado do Rio na madrugada desta quarta-feira (11) obrigou mais de duas mil famílias a deixarem suas casas. Os municípios de Nova Iguaçu e Japeri decretaram estado de calamidade pública. Diversas ruas da Região Metropolitana ficaram alagadas. Muitos moradores ficaram ilhados em Acari. O prefeito do Rio, Eduardo Paes, pediu que as pessoas evitassem deslocamentos por causa da chuva.

A pista sentido São Paulo da Rodovia Presidente Dutra foi liberada na noite desta quarta-feira (11) após horas de protestos na altura de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Motoristas enfrentaram 20 quilômetros de congestionamento.

Uma casa desabou no Conjunto de Favelas do Alemão, na localidade conhecida como 'Fazendinha', no fim da tarde desta quarta-feira (11). De acordo com o subsecretário de Defesa Civil do Rio, Marcio Motta, o imóvel estava desocupado e não houve vítimas. Equipes da Defesa Civil foram acionadas para o local.

>> Lojas e bancos fecham no Centro do Rio por falta de funcionários e clientes

>> Protestos agravaram caos na Via Dutra nesta quarta-feira

>> Japeri é o município com maior número de famílias desalojadas

>> Depois de horas alagada, Avenida Brasil é liberada ao tráfego

>> Chuva afeta funcionamento de museus e instituições culturais do Rio

>> Prefeito do Rio pede que população evite sair de casa por causa da chuva

>> Menina dos olhos de Paes, Região Portuária fica alaga

>> Deslizamento deixa mãe e filha desaparecidas devido à chuva no RJ

>> Chuva no Rio: ao lado do Maracanã, moradores reclamam de 'piscinão'

A Prefeitura de Japeri, na Baixada Fluminense, decretou estado de calamidade pública por causa da chuva. Segundo a assessoria da Prefeitura, há 200 famílias desalojadas e 30 famílias desabrigadas.

A prefeitura de Nova Iguaçu também decretou estado de calamidade pública. O prefeito Nelson Bornier suspendeu as aulas das escolas municipais e liberou seis Centros Integrados de Educação Pública (Cieps) para receber os desabrigados e desalojados. 

Houve um desmoronamento no Morro do Inferninho, no bairro de Austin, e 50 famílias foram retiradas do local pela defesa civil do município, que condenou os imóveis. Segundo a prefeitura, há um ferido sem gravidade. O prefeito solicitou ainda ajuda ao governo estadual para lidar com os rios e valões que transbordaram.

A Defesa Civil municipal e os bombeiros seguem com as buscas pelo pedreiro Martim Mesquita da Silva, 50 anos, desaparecido desde a madrugada, quando foi arrastado pela correnteza do rio que corta o bairro de Austin. O canal do Paiol, no bairro de Vila Cava, transbordou, deixando cerca de mil desalojados. 

O município estava em estado de emergência desde segunda-feira e ainda não havia se recuperado do temporal que atingiu o Rio na quinta-feira. A Diocese de Nova Iguaçu também liberou as paróquias para receber desalojados e desabrigados.

No município de São João de Meriti choveu 123 milímetros das 18h de ontem até as 11h de hoje. A Defesa Civil também registrou pontos de alagamentos nos bairros do Éden e Parque Juriti, além do transbordamento do rio Pavuna, que está em alerta máximo.

Mesmo com o temporal, a Defesa Civil informou que não houve necessidade de acionar as sirenes do sistema de alerta para que as pessoas procurassem abrigo. Também houve dois deslizamentos de pequeno porte nos bairros de Analândia e Parque Araruama. 

Tags: enchentes, expressas, interdições, Rio, temporais, vias

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.