Jornal do Brasil

Domingo, 23 de Novembro de 2014

Rio

Deputados sobre extinção de escolas: "Cabral está na contramão da educação"

Jornal do BrasilMaria Luisa de Melo

Um dia antes de o secretário estadual de Educação, o economista Wilson Risolia, ser chamado à Assembleia Legislativa do Rio para apresentar relatório anual da Secretaria estadual de Educação, deputados estaduais mostraram descontentamento com a extinção de 50 colégios estaduais no Rio de Janeiro.

Os parlamentares criticaram o governador Sérgio Cabral,  que, segundo deputados, está na "contramão da educação pública de qualidade". Os fechamentos dos colégios aconteceram nos últimos 1 ano e 6 meses.

Para o deputado Robson Leite (PT), integrante da Comissão de Educação da Assembleia, a municipalização – processo pelo qual o governo do Estado repassa a gestão das escolas de Ensino Fundamental para a Prefeitura do Rio –  poderia surtir um bom efeito no estado. O problema, segundo ele, é que o governo estadual conduziu tal processo “de supetão”, “de repente” e “sem nenhum diálogo” com os professores e alunos da rede.

“A Secretaria de Educação, assim como o governo estadual, está na contramão da Educação pública de qualidade. Não basta repassar as escolas de Ensino Fundamental para a Prefeitura. Tem que fazer isto com diálogo para não deixar os alunos desassistidos. Além disso, neste período de um ano e meio de fechamentos de escolas, quantos colégios de Ensino Médio foram construídos? Nenhum”, disparou o petista, antes de avaliar: “É uma política economicista do governo do Estado, que devolve o Ensino Fundamental à Prefeitura, e também não constrói escolas para o Ensino Médio”.

Em 1 ano e meio, 50 colégios estaduais foram fechados no Rio. Através de assessoria, secretário de Educação Wilson Risolia afirma que alunos estão sendo remanejados
Em 1 ano e meio, 50 colégios estaduais foram fechados no Rio. Através de assessoria, secretário de Educação Wilson Risolia afirma que alunos estão sendo remanejados

>> MP investiga fechamento de escolas; especialista critica decisão do governo

>> RJ já tem 50 escolas fechadas; nova unidade extinta fica no Centro da cidade

>> Por dia, quase três professores pedem demissão da rede estadual do Rio

>> Com fechamento de colégio, costureira ficou 1 ano e 6 meses sem estudar

Para a deputada do PSOL, Janira Rocha, o governador não poderia ter escolhido um secretário mais “atrelado aos seus interesses”. Ela acompanhou, na última segunda-feira (3), uma reunião do Colégio de Líderes da Alerj com o secretário Wilson Risolia e o secretário da Casa Civil, Régis Fitchner.

Quando Janira cobrou, junto com outros parlamentares, que a grade curricular dos alunos do Ensino Médio ganhasse mais um tempo de Filosofia e outro de Sociologia, para que o entendimento das disciplinas não fossem prejudicadas, Risolia teria, segundo Janira e representantes do Sepe que estavam na reunião, respondido que os alunos não sabem "nem ler e escrever”. Contudo, a Secretaria de Educação nega que o secretário tenha dado esta declaração.

Para Janira, a postura do secretário revela que “a preocupação do governo estadual não é pedagógica”, mas sim em “economizar com educação”.

“A preocupação com Educação é nula. O negócio é economizar com educação. Infelizmente, a educação do Rio não deveria ser tratada pelo governador Sérgio Cabral como gasto, mas sim como investimento”, avaliou. 

Governo nega fechamentos:

Por meio de sua assessoria, a Secretaria estadual de Educação nega o fechamento das unidades e afirma que os alunos do Ensino Fundamental estão sendo remanejados para outras escolas. 

"Esclarecemos que a ação não foi de fechamento de escolas. O que houve é o que se chama de municipalização, e há legislação sobre isso. O Ensino Fundamental  é de responsabilidade dos municípios. O Ensino Médio, do Estado. E o Ensino Superior, do Governo Federal. Porém, ainda há muito Ensino Fundamental sob responsabilidade das escolas estaduais. E o que a Secretaria estadual vem fazendo é transferindo as escolas com alunos do Fundamental para o município, quando há capacidade de o município absorver essa demanda, o que é o caso da cidade do Rio de Janeiro. Chama-se municipalização. Os alunos permanecem estudando, só passam a ficar sob responsabilidade do município a partir disso", diz a nota enviada ao JB.

Tags: assembléia, bittencourt, comissão, comte, educação, janira, legislativa, leite, robson, rocha

Compartilhe:

Comentários

1 comentário
  • nONICA MENDES

    Realmente não é possível que o gopverno estadual seja responsabilizado por toda a educação. Se existiam muitas escolas de nível fundamental sob responsabilidade do estado, acho muito bom que seja municipalizado para que o governo possa de dedicar exclusivamente ao ensino médio.

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.