Jornal do Brasil

Segunda-feira, 22 de Dezembro de 2014

Rio

RJ: após chacina na Chatuba, prefeitura constrói muro de proteção 

Portal Terra

A prefeitura de Mesquita (RJ) iniciou, nesta terça-feira, a construção de um muro de proteção na entrada do parque de Gericinó, onde ocorreu uma chacina e seis jovens foram assassinados. A ação fechará um dos acessos à favela da Chatuba, onde traficantes atuavam. As obras deverão acabar na quarta-feira, e o muro terá 4 m de altura.

Na noite de sexta-feira, o Disque-denúncia do Rio de Janeiro divulgou as fotos de quatro acusados de comandar e participar da chacina que aconteceu no parque. Remilton Moura da Silva Junior, o Juninho, Jonas Santos Pereira, o Pintado, Marcus Vinicius Madureira da Silva, o Ratinho, e Fernando Domingos Pereira Simão, conhecido como Sheik, já tiveram o mandado de prisão expedido pela Justiça na quinta-feira.

Onda de crimes na Chatuba

Desaparecidos após saírem para ir a uma cachoeira de Gericinó, em Mesquita (RJ), seis jovens foram encontrados mortos na manhã do dia 10 de setembro. Os adolescentes, moradores de Nilópolis, na Baixada Fluminense, foram identificados como Christian Vieira, 19 anos; Glauber Siqueira, Victor Hugo Costa e Douglas Ribeiro, 17 anos; e Josias Serles e Patrick Machado, 16 anos.

Polícia divulga foto de Juninho, Jonas Pintado, Ratinho e Sheik, acusados de envolvimento em chacina no Rio 
Polícia divulga foto de Juninho, Jonas Pintado, Ratinho e Sheik, acusados de envolvimento em chacina no Rio 

De acordo com laudo do Instituto Médico Legal (IML), os seis foram barbaramente torturados. Os documentos mostram que pelo menos dois deles tiveram os braços fraturados e quatro foram baleados na cabeça. As vítimas ainda tinham cortes profundos nos pescoços.

A polícia trabalha com a hipótese de que os jovens tenham sido capturados por traficantes locais, rivais da facção criminosa que comanda a região em que moravam as vítimas. Entre os acusados está Remilton Moura da Silva Júnior, o "Juninho Cagão", apontado como chefe do tráfico naquela comunidade. Além dos seis jovens, o grupo teria assassinado o pastor Alexandre Lima, 37 anos, e o cadete da Polícia Militar Jorge Augusto de Souza Alves Junior, 34 anos, no mesmo dia. José Aldeci da Silva Junior, que teria presenciado a morte do pastor, também pode ter sido vítima do grupo. Seu corpo foi encontrado em operação dentro da área do campo de instrução de Gericinó, que pertence ao Exército, no dia 13.

A onda de violência levou as autoridades a ocupar permanentemente a comunidade da Chatuba. A Polícia Civil também pediu a prisão temporária de sete traficantes suspeitos de participação na chacina.

Tags: Chacina, chatuba, jovens, morte, polícia

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.