Jornal do Brasil

Rio - Eleições 2018

Vivaldo faz críticas a Romário

Jornal do Brasil

Ex-presidente estadual do PPL e preterido por Romário na corrida por uma vaga ao Senado, Vivaldo Barbosa critica as escolhas do ex-aliado. O ex-jogador ainda lidera as pesquisas de intenções de voto para o governo do Rio, mas não seduz mais o político experiente. Filiado ao Podemos, partido do candidato à Presidência, Álvaro Dias, e tendo como vice, o ex-PM Marcelo Delaroli, do PR, que já declarou voto ao candidato do PSL, Jair Bolsonaro, Romário só tem feito gol contra, na opinião de Barbosa.
“Romário deu a mão ao fisiologismo e ao conservadorismo. Isso nos desagradou. O vice dele declara voto ao Bolsonaro. O [ex-chefe da Casa Civil de Eduardo Paes] Rodrigo Bethlem é seu conselheiro. Isso pode explicar por que ele quis me afastar da candidatura ao Senado. Sempre investi no Romário como uma figura popular, que tem sensibilidade com o povo, pela sua origem e pela sua trajetória política. Esse grupo passou a cercá-lo e, o distanciou da gente”, disse Vivaldo.
O ex-presidente estadual do PPL esteve prestes a fechar uma chapa com Romário e o auxiliou na pré-campanha, mas acabou perdendo a vaga para Miro Teixeira (Rede). Segundo Vivaldo, Romário atendeu às exigências de Miro, que queria exclusividade na candidatura ao Senado, e o deixou para escanteio. “O coordenador da campanha de Romário, Marco San, foi quem veio me contar que ele atendeu às exigências do Miro. E eu, que rodei 35 cidades com ele, não saí candidato, como me haviam prometido”, disse.
Romário comemorou, no dia 6 de abril, a filiação de 30 novos quadros ao Podemos, todos egressos do PPL. O grupo saiu em protesto ao apoio majoritário da legenda fundada por João Vicente Goulart, neto do ex-presidente João Goulart, ao candidato do PRP, Anthony Garotinho. “Nós não acreditávamos que o Garotinho sairia candidato por causa dos problemas judiciais dele, que estão se confirmando. E estávamos preocupados com os nomes por trás do Eduardo Paes, que é mais da política de (Michel) Temer”, disse Vivaldo ao JB.



Recomendadas para você