Jornal do Brasil

Quinta-feira, 24 de Abril de 2014

Pedro Simon

Orgulho e vergonha

Pedro Simon*

O Brasil cresceu muito nas últimas décadas, um desempenho econômico fabuloso que despertou a atenção do mundo. No ranking das maiores economias do planeta, numa estimativa do Fundo Monetário Internacional (FMI), o país está no sexto lugar, com possibilidade de chegarmos ao quinto posto em 2016, superando a França. Esse desempenho é motivo orgulho. Mas, a riqueza produzida pelo trabalho dos brasileiros não é distribuída de forma equilibrada.

Quando os militares estavam no poder um general-presidente cunhou uma frase que se tornou símbolo de uma época: “A economia vai bem, mas o povo vai mal.” Hoje, as condições de vida melhoraram, mas padecemos ainda com indicadores sociais próprios de países subdesenvolvidos. Nesse aspecto, a educação se tonou uma vergonha, próxima de uma tragédia social.

Dados do IBGE de 2012 revelam o quadro negativo no setor e, ao mesmo tempo, provocam preocupação e indignação.  Cerca de 9,6 milhões de jovens com idades entre 15 e 29 anos não estudam e nem trabalham, um contingente expressivo formado em sua maioria por meninas (70,3%), das quais a maioria (58,4%) com um filho ou mais. Muitas delas, nas entrevistas dos pesquisadores, alegam que precisam cuidar dos filhos e, por isso, não conseguem um emprego. Faltam creches públicas, especialmente nas regiões metropolitanas.

Esses números refletem o ponto a que chegou o descaso dos governos, de diferentes partidos, com a educação. Nada mais importante para um país do que suas crianças e seus jovens, pois deles depende o destino da nação e a qualidade da inserção do país num cenário global cada vez mais competitivo. Os alarmes soam atordoantes e as manifestações de junho passado demonstraram que a paciência coletiva pode chegar ao fim. Mas, os olhos e ouvidos dos governantes e da elite brasileira estão voltados para outros números e sons, certamente mais atraentes.

*Pedro Simon é senador pelo PMDB/RS.

Tags: brasil creches, jovens, maioria, públicas, regiões

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.