Jornal do Brasil

Quarta-feira, 20 de Junho de 2018 Fundado em 1891

País

Com reeleição garantida, Rui Costa negocia 2ª vaga no Senado

Jornal do Brasil KATIA GUIMARAES, katia.guimaraes@jb.com.br

O PT se prepara para reeleger o governador Rui Costa e completar quatro mandatos à frente do estado da Bahia. Com quase 350 prefeitos das 417 cidades baianas ao seu lado, o petista conta com 70% de avaliação positiva de seu governo e mais de 58,8% das intenções de votos e pode se reeleger no 1º turno das eleições deste ano. “Ele só perde para o presidente Lula. Só quem tem mais votos na Bahia do que Rui Costa é Luiz Inácio Lula da Silva”, afirma o deputado federal baiano Jorge Solla (PT). De quebra, o ex-ministro Jaques Wagner (PT), que furou a dinastia da família de ACM no estado, em 2007, quando assumiu o Palácio de Ondina, deve ser o senador mais votado da história baiana, está com 47,2% nas pesquisas.

O governador Rui Costa deve apoiar o candidato do PSD, mas a direção do PT quer reeleger a senadora Lídice da Mata, do PSB

Apesar do clima positivo, Rui Costa tem pela frente uma decisão delicada a ser tomada e poderá contrariar a orientação do comando nacional do PT. Em jogo está a escolha de quem será o candidato à segunda vaga para o Senado. Um dos principais aliados do PT no estado, o senador Otto Alencar (PSD) quer fazer seu sucessor e reivindica a 2ª cadeira na chapa majoritária para o deputado estadual Ângelo Coronel (PSD), presidente da Assembleia Legislativa. Isso levaria o PT a tirar da corrida eleitoral a senadora Lídice da Mata (PSB). Essa possibilidade tem incomodado bastante o PSB, que mantém conversas com o PT para fechar alianças em pelo menos 11 estados.

O governador chegou a dizer que o anúncio da chapa deverá ser feito no próximo dia 19, isso porque o petista pretende esperar o retorno do vice-governador João Leão (PP) ao Brasil para fazer o comunicado. Publicamente, a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, externou o desejo do ex-presidente Lula por Lídice. Segundo Gleisi, a opção pela senadora não é só porque o nome dela na coligação facilita o entendimento com o PSB para uma aliança nacional, mas porque ela tem sido aliada de primeira hora. Lídice esteve ao lado dos petistas em momentos cruciais se colocando contra o impeachment da ex-presidente Dilma, a PEC que congelou os gastos públicos e a reforma trabalhista. Ela também visitou o ex-presidente Lula em Curitiba.

Como o assunto está nas mãos do governador petista, Jorge Solla recorreu a uma metáfora futebolística para falar sobre a escolha. “Escalar o melhor time para conseguir o resultado melhor possível”, disse. Pessoas próximas a Rui Costa dizem eu ele tem um problema positivo a resolver porque é “pouca chapa” para “muitos nomes bons”. O governador deverá se reunir ainda esta semana com Lídice, mas o fato de a senadora ter concorrido contra Rui em 2014 está pesando na decisão e a probabilidade pelo seu nome não é vista como muito positiva. 



Tags: bahia, governo, jaques wagner, pt, reeleição

Compartilhe: