Jornal do Brasil

Terça-feira, 24 de Abril de 2018 Fundado em 1891

País

Planalto desmente Jucá sobre data da reforma da Previdência

Líder do governo no Senado afirmou que votação tinha sido adiada para fevereiro de 2018

Jornal do Brasil

Por meio de nota divulgada pelo Palácio do Planalto, o presidente Michel Temer desmentiu, nesta quarta-feira (13), o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), que havia se antecipado ao governo ao afirmar que a votação da reforma da Previdência ficaria para fevereiro. Segundo Jucá, a decisão já tinha sido acordada com os presidentes da Câmara e do Senado.

De acordo com a assessoria do Planalto, Temer espera que o novo projeto da reforma, de autoria do deputado Arthur Maia (PPS-BA) seja lido nesta quinta-feira, e que só depois disso conversaria com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunicio Oliveira (PMDB-CE), para definir a data de votação.

Governo desmentiu declarações de Romero Jucá sobre votação da reforma da Previdência

"Após passar por procedimento cirúrgico em São Paulo na tarde desta quarta, o presidente Michel Temer retornará a Brasília nesta quinta-feira, com liberação da equipe médica que o acompanha. Ele espera ainda para esta quinta-feira a leitura da emenda aglutinativa do deputado Arthur Maia sobre a reforma da Previdência. Somente depois disso, o presidente discutirá com os presidentes do Senado Federal, Eunício Oliveira, e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, a data de votação da proposta", diz a nota da Presidência.

No entanto, em nova nota divulgada nesta quinta, o Planalto afirmou que o presidente fica internado no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, até esta sexta-feira (15) para "completa recuperação", segundo informou o Planalto.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou na tarde desta quarta que ainda não há um acordo fechado entre a Câmara e o Senado para que a votação da Previdência fique para 2018. Meirelles informou ainda que nem ele nem o presidente Michel Temer participaram de discussões neste sentido.

Segundo o ministro, a “avaliação do senador Romero Jucá é importante, de que essa seria uma solução viável e possível e pode ser que ocorra. Mas isso não é uma decisão é ainda continuamos trabalhando para votar a reforma este ano, se possível a semana que vem”.

Ele também afirmou na tarde desta quarta-feira que ainda não há um acordo fechado entre a Câmara e o Senado para que a votação da Previdência fique para 2018. Meirelles informou ainda que nem ele nem o presidente Michel Temer participaram de discussões neste sentido.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), disse que ainda não tem uma "decisão tomada" e que antes vai conversar com Temer. "É claro que a gente sabe que votar semana que vem não é fácil. Mas amanhã o relator está preparado para ler o novo relatório, do acordo, para que independentemente da data da votação, ou na próxima terça-feira, ou em fevereiro, os parlamentares e a sociedade já entendam de forma correta que será votado e com certeza aprovado", afirmou.

O deputado informou ter sugerido que ele e Eunício Oliveira conversem com Temer nesta quinta-feira para avaliar o cenário para a votação da reforma. "Como o presidente viajou, estou esperando ele voltar para que eu possa entender se o governo tem o número de votos necessários para votar a Previdência já na próxima semana.

O líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) , também evitou confirmar o adiamento da votação da reforma da Previdência para fevereiro. “Essa definição de pauta deve ser feita por quem pauta, e não é o governo que pauta”, disse.



Tags: hospital, michel temer, previdência, reforma, sírio-libanês

Compartilhe: