Jornal do Brasil

Terça-feira, 23 de Janeiro de 2018 Fundado em 1891

País

Operação da PF investiga suposta propina da JBS a fiscal da Receita

Jornal do Brasil

Agentes da Polícia Federal e servidores da Receita Federal cumprem 14 mandados de busca e apreensão em residências e empresas de suspeitos de corrupção, envolvendo a Operação Lava Jato, nas cidades de São Paulo, Caraguatatuba, Campos do Jordão, Cotia, Lins e Santana do Parnaíba. A operação investiga o pagamento de R$ 160 milhões em propinas a um auditor do Fisco, ao longo de 14 anos, para acelerar a liberação de R$ 2 bilhões em créditos tributários à empresa JBS, dos irmãos Wesley e Joesley Batista.

Batizada de Operação Baixo Augusta, a ação resultou de uma de investigação conjunta da Polícia Federal, do Ministério Público Federal e da Receita Federal para apurar a existência de um esquema destinado a agilizar a liberação de créditos tributários. A determinação foi feita pela 10ª Vara Criminal Federal de São Paulo. A investigação teve início a partir do acordo de delação premiada selado entre a PGR e a J&F.

Investigação teve início a partir do acordo de delação premiada
Investigação teve início a partir do acordo de delação premiada

De acordo com nota da PF, um auditor-fiscal da Receita Federal foi afastado judicialmente e oito pessoas físicas e jurídicas tiveram seus bens bloqueados.

Haveria prova de que, desde 2004, um auditor fiscal estaria recebendo propina para agilizar, ilicitamente, a liberação de recursos que a empresa teria a receber a título de créditos tributários. Calcula-se que, nos últimos 13 anos, essa fraude tenha movimentado cerca de R$ 160 milhões. De acordo com as investigações, empresas de fachada e a emissão de notas fiscais falsas estariam contribuindo para essas ações.

Tags: investigaçao, lava jato, pf, prisao, sp, stf

Compartilhe: