Jornal do Brasil

Terça-feira, 22 de Maio de 2018 Fundado em 1891

País

Governo quer votar reforma da Previdência antes do recesso

Jornal do Brasil

Duas semanas depois de enterrar as chances de aprovação da reforma da Previdência, o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta segunda-feira (4) que o governo já tem os votos necessários para votar a proposta antes do recesso de fim de ano.

“Fizemos uma reunião com os partidos da base e saímos da reunião com expectativa muito grande de conseguir reunir os votos destes partidos que somam mais de 320 votos”, disse Maia, acrescentando que no último sábado (2) estava "pessimista" e que agora está "realista".

Maia, que no último dia 21 afirmou que o governo estava "muito longe" de obter os 308 votos necessários no plenário para aprovar a reforma, disse que estava "pessimista" até o último sábado (2), mas que "agora" está "realista" para pautar o projeto no Plenário em dezembro.

Maia disse que estava "pessimista" até sábado (2), mas que agora está "realista" com chance de votação

Também nesta segunda-feira (4), em palestra na Fundação Getulio Vargas (FGV), o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, preferiu não assegurar a data da votação. Meirelles defendeu que a reforma seja aprovada durante o governo de Michel Temer, para que o próximo presidente não inicie o mandato com esse "enorme desafio".

"Isso compete a uma coordenação, em última análise, do presidente da Câmara e do presidente da república, fazendo essa avaliação de qual é o momento certo de pautar", disse ele, que acrescentou: "Isso é uma decisão do Congresso Nacional. Não me compete definir limites".

Meirelles avaliou como "completamente positivas" as reuniões feitas no domingo (3) pelo governo com partidos da base aliada, para tratar da votação da reforma no plenário da Câmara dos Deputados. "Houve, não só no almoço, mas também no jantar, um comprometimento muito grande de todos os partidos da base e das lideranças com a reforma".



Tags: brasil, congresso, câmara, deputados, governo, política, previdência, reforma, temer

Compartilhe: