Jornal do Brasil

Sábado, 18 de Novembro de 2017

País

Justiça determina internação de autor de ataque em escola de Goiânia

Jornal do Brasil*

A Justiça de Goiás aceitou a recomendação do Ministério Público do Estado e determinou a internação provisória, por 45 dias, do adolescente de 14 anos autor do ataque com arma de fogo no Colégio Goyazes, em Goiânia. Ele deve ser transferido neste domingo (22), de acordo com informações de funcionários da Delegacia de Polícia de Apuração de Atos Infracionais.

O jovem ficará internado até o julgamento do caso pelo Juizado da Infância e Juventude, conforme previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente. O Ministério Público também solicitou que o adolescente seja colocado em separado dos demais internos, já que é filho de militares. De acordo com o promotor, esta garantia ficou assegurada.

Apesar da juíza Maria Cezar Moreno Senhorelo, que estava de plantão, ter determinado que o jovem fosse encaminhado imediatamente para o Centro de Internação Provisória de Goiânia, o destino dele é incerto devido à falta de um local em que possa ficar isolado.

>> Menino vítima de ataque em escola de Goiânia recebe alta

>> Especialistas defendem tolerância e respeito às diferenças contra o bullying

Bombeiros e polícia foram acionados por uma mulher que se identificou como professora da escola
Bombeiros e polícia foram acionados por uma mulher que se identificou como professora da escola

A audiência de apresentação do adolescente à Vara da Infância e Juventude deve ocorrer na segunda-feira (23). A advogada da família, Rosangela Magalhães, disse que a decisão já era esperada e destacou que a maior preocupação é com a integridade do adolescente. “Além da repercussão do caso, por ser filho de militares, ele corre risco, este é o ponto que mais nos preocupa e vamos levar isso para a juíza, a necessidade de um local seguro que garanta sua integridade”, afirmou Rosangela.

Em sua decisão, a juíza Maria Cezar Moreno Senhorelo disse que "a custódia cautelar do adolescente é medida que se impõe para a garantia da ordem pública, considerando a gravidade em concreto do ato infracional análogo ao crime de homicídio consumado e tentado” e, por outro lado é também um "forma de preservar a integridade física do representado”.

Durante a tarde de sábado, o jovem foi ouvido pelo promotor de Justiça Cássio Sousa Lima, do Ministério Público do Estado de Goiás. A conversa durou uma hora. O pai do adolescente e a advogada da família, Rosangela Magalhães, acompanharam todo o procedimento. Segundo Rosangela, a mãe está internada desde sexta-feira em estado de choque. A família só vai se pronunciar oficialmente sobre caso depois da audiência de apresentação do adolescente à Justiça.

De acordo com delegado Luiz Gonzaga, da Delegacia de Polícia de Apuração de Atos Infracionais da Polícia Civil de Goiás, os depoimentos sobre o caso devem ser retomados nesta segunda-feira. Além do adolescente autor do ataque, seu pai, a coordenadora da escola responsável por acalmar o jovem após os disparos, os dois policiais militares que foram os primeiros a chegar no local e uma professora foram ouvidos pela polícia de forma preliminar ainda na sexta-feira.

Na manhã de sexta-feira (20), o adolescente de 14 anos, filho de um policial militar, abriu fogo contra colegas em sala de aula matando dois e deixando quatro jovens feridos, um deles em estado gravíssimo. De acordo com as investigações, ele agiu motivado por bullying e disse ter se inspirado nos casos de Columbine, nos Estados Unidos, e Realengo, no Rio de Janeiro, em que atiradores também abriram fogo dentro de escolas.

No dia do incidente, a Polícia Civil periciou o local do ataque e também realizou busca e apreensão na casa do adolescente autor dos disparos. O delegado não quis informar o que foi apreendido para preservar a investigação. Os nomes dos jovens envolvidos também não foram divulgados para preservar as famílias. O resultado da investigação será remetido para o Ministério Público.

>> Adolescentes mortos durante ataque em escola são sepultados em Goiânia

>> Vítima de ataque em Goiânia segue em estado grave com pulmões perfurados

>> Aluno de escola em Goiânia abre fogo e mata dois estudantes

>> Adolescente que atirou em colegas disse que se inspirou em Columbine e Realengo

Da Agência Brasil

Tags: arma, brasil, disparo, escola, goiás, mortes

Compartilhe: